Afegãos no Paquistão não têm esperança de regressar ao país natal

Access to the comments Comentários
De  euronews
Afegãos no Paquistão não têm esperança de regressar ao país natal
Direitos de autor  Khwaja Tawfiq Sediqi/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved.

Mohammed Ameen acaba de chegar ao Paquistão depois de fugir do Talibã, que tomaram Mazar-i-Sharif, a sua cidade natal, e depois Cabul.

"Quando os Talibã entraram em Cabul, as pessoas ficaram com medo e correram para o aeroporto. Eu via à distância. A situação era caótica. As pessoas estavam em pânico. Pensaram que qualquer coisa poderia acontecer. Toda a gente tentava embarcar nos aviões, até tentaram pelas asas. Muitos caíram. Estavam com muito medo.", conta Mohammed Ameen, o afegão deslocado.

Não teve outra escolha que não fugir por terra. E acredita que muitos afegãos vão acabar por fazer o mesmo mal os EUA parem de retirar refugiados para fora do país.

Mohammed Ameen trabalha num restaurante. é apenas um dos muitos afegãos que fugiram para o país vizinho. O Paquistão sabe que nos próximos tempos, vão ser muitas famílias a chegar com histórias parecidas com a de Ameen.

Uma crise de refugiados de grandes proporções ainda não se materializou. No entanto, o Paquistão tem vindo a pedir ajuda à comunidade internacional para suportar o peso de mais de 40 anos de conflito na fronteira

A segurança nacional do Paquistão acredita que foram os paquistaneses a sofrer mais as guerras do Afeganistão.

"Sabia que o Paquistão registou mais de 80.000 vítimas desde o 11 de setembro e a guerra estava na porta ao lado? Sabia que o Paquistão perdeu mais de 130 mil milhões de euros na economia? Tivemos milhões de deslocados. Damos abrigo a mais de 4 milhões de refugiados. E, quando a conversa nos outros países é sobre mais 5 refugiados, é demais...", explica Moeed W. Yusuf, Conselheiro de Segurança Nacional do Paquistão. 

Moeed Yusuf diz também que só há uma forma do Afeganistão construir uma paz sustentável - negociar com os Talibãs. 

"O mundo tem que se envolver e conversar com eles. O que eu sei é que nas declarações iniciais mostram claramente que eles não querem voltar aos anos 90", conta. 

Mas, entre a comunidade afegã a viver em Islamabad, muitos dizem que é impossível poder confiar nos talibãs, tal como Syed Zikria, afegão deslocado. 

"Eles dizem que não sentem animosidade por ninguém, mas isso é uma mentira descarada. Durante o dia eles falam assim, mas à noite vão à casa das pessoas, procuram.... E depois de dois ou três dias, matam-nos.", conta o afegão. "O meu pai estava a trabalhar com Ashraf Ghani, eles capturaram a minha família inteira e mataram todos.", explica Syed. 

Syed está sozinho e, tal como Mohammed Ameen, não tem esperança de voltar ao Afeganistão. Depois de perder os pais e os 5 irmãos, conta que perdeu para sempre o país que o viu nascer.