EUA impedem novo ataque

EUA impedem novo ataque
Direitos de autor AP Photo/ Khwaja Tawfiq Sediqi
De  Ricardo Figueira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Um drone norte-americano destruiu um carro que, alegadamente, transportava explosivos. Há notícias de baixas entre a população civil, que as autoridades dos EUA estão a investigar.

PUBLICIDADE

As operações de retirada do Afeganistão vivem os últimos dias, com a ameaça de novos ataques, como o de quinta-feira, a pairar. A partir de amanhã, dia 31 de agosto, nenhum militar estrangeiro pode permanecer no país. O presidente norte-americano Joe Biden já garantiu várias vezes que esse prazo é para cumprir. O Reino Unido deu a retirada por completa, enquanto os aviões de transporte militar norte-americanos continuam a descolar quase sem interrupções do aeroporto de Cabul.

Ontem, um ataque de um drone norte-americano contra um carro alegadamente carregado de explosivos, matou pelo menos uma pessoa. As autoridades norte-americanas dizem que esta ação impediu um novo atentado mortífero.

Mas, no Afeganistão, há notícia de vítimas civis causadas pelos ataques. Os Estados Unidos estão a investigar essas alegações e emitiram um comunicado em que lamentam eventuais baixas entre a população.

Explosões numa área residencial da capital afegã terão morto várias pessoas. Segundo os locais, foram os rockets lançados pelos norte-americanos a causar esta destruição.

Os talibãs, que agora detêm o poder no Afeganistão, aumentaram a segurança e prometem não deixar o Daesh atuar no país. Quem vive aqui está agora encurralado entre o regime islâmico e esta nova ameaça terrorista, com cada vez menos hipóteses de entrar num voo de evacuação.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Novo sismo de 6.3 no Afeganistão dias após um outro que fez mais de mil mortos

Terramoto no Afeganistão pode ter feito 3 mil mortes, dizem autoridades talibãs

Começaram os funerais das vítimas do sismo no Afeganistão