Quatro ativistas de Hong Kong detidos

Access to the comments Comentários
De  euronews  com AFP
Os membros da Aliança de Hong Kong de Apoio aos Movimentos Democráticos da China foram detidos após se terem recusado a cooperar numa investigação policial
Os membros da Aliança de Hong Kong de Apoio aos Movimentos Democráticos da China foram detidos após se terem recusado a cooperar numa investigação policial   -   Direitos de autor  euronews

A polícia de Hong Kong deteve, esta quarta-feira, quatro líderes do grupo que promovia no território as vigílias anuais sobre o chamado "massacre de Tiananmen".

De acordo com as autoridades, os membros da Aliança de Hong Kong de Apoio aos Movimentos Democráticos da China foram detidos após se terem recusado a cooperar numa investigação policial.

A organização está entre os grupos pró-democracia sob investigação ao abrigo da Lei de Segurança Nacional imposta por Pequim para eliminar a dissidência após os protestos de 2019 em Hong Kong.

Em agosto, a polícia ordenou à Aliança que entregasse informações financeiras e operacionais, acusando-a de ser um "agente estrangeiro".

A organização optou por ignorar o pedido, que incluía dados pessoais de todos os membros desde a sua fundação em 1989, todas as atas de reuniões e relatórios financeiros, e todos os intercâmbios com ONG's que defendem a Democracia e os Direitos Humanos na China.

Na terça-feira (07 de setembro), o prazo para responder aos pedidos da polícia, os membros da Aliança apresentaram uma carta explicando que o pedido era ilegal, arbitrário e que não tinham sido apresentadas provas de um crime.

A Aliança rejeitou, também, a acusação de ser um "agente estrangeiro", explicando que se tratava de um grupo local a trabalhar para o povo de Hong Kong.

A força policial encarregada da segurança nacional em Hong Kong emitiu uma declaração, na terça-feira à noite, avisando que quem não cooperar com as investigações poderá ser multado e preso por um período até seis meses.