EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Salvar as tartarugas de Cabo Verde

Praia Ribeira das Pratas
Praia Ribeira das Pratas Direitos de autor LUSA
Direitos de autor LUSA
De  Nuno PrudêncioLusa
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Voluntários criaram viveiros e protegem as tartarugas marinhas recém-nascidas até ao mar.

PUBLICIDADE

O trabalho começa cedo e, muitas vezes, prolonga-se pela noite. Há mais de um mês que Rafaela Tavares, estudante de Biologia, não vai a casa. Isto porque assumiu a missão de ser voluntária para ajudar a proteger as tartarugas marinhas na praia de Ribeira das Pratas, na ilha de Santiago, Cabo Verde. O arquipélago é um dos maiores pontos de desova do mundo desta espécie.

"É incrível. É uma sensação de dever cumprido, porque passamos cá 60 dias, 45 dias, a preservar um ninho, à espera que ecluda. É uma satisfação enorme quando conseguimos colocar essas tartaruguinhas ao mar", explica Rafaela.

Em cada mil tartaruguinhas, só uma ou duas é que chega à idade adulta.
Denis Dias
Org. ambientalista Lantuna

Os viveiros foram criados para evitar a predação de caranguejos e cães, que chegavam a dizimar 98% das tartarugas recém-nascidas.

"Há uma estimativa que, em cada mil tartaruguinhas, só uma ou duas é que chega à idade adulta. O balanço é positivo. Nós estamos a ter uma taxa de sucesso de 40% a 50% nos ninhos que têm estado a nascer", afirma Denis Dias, da organização ambientalista Lantuna.

O programa de conservação já ajudou, no espaço de um mês, mais de 500 tartarugas a chegarem ao mar.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Cabo Verde oficialmente livre de malária

Hora do crepúsculo para o Pacto Ecológico Europeu?

Maior feira de viagens do mundo destaca tendências do turismo