This content is not available in your region

Péter Márki-Zay, o homem que promete derrotar Orbán

Access to the comments Comentários
De  Gábor Tanács
euronews_icons_loading
Péter Márki-Zay, o homem que promete derrotar Orbán
Direitos de autor  euronews

Com grande surpresa, um presidente de câmara de uma pequena cidade, não partidário, foi escolhido para desafiar Viktor Orbán nas eleições parlamentares de 2022 na Hungria. Nas primeiras eleições primárias húngaras, ganhou contra candidatos como o presidente da câmara de Budapeste e a vice-presidente do Parlamento Europeu.

Pai de sete filhos, que se define a si próprio como conservador e católico praticante, emergiu como candidato de uma aliança partidária muito ampla, composta por partidos de direita, esquerda, liberais e verdes, forçada a ficar na oposição devido à lei eleitoral aprovada pelo Fidesz.

Falamos com Péter Márki-Zay, presidente da câmara de Hódmezővásárhely e candidato conjunto da oposição húngara a primeiro-ministro

Gábor Tanács, Euronews: Péter Márki Zay, bem-vindo A The Global Conversation. A fita azul que o senhor e os seus apoiantes usam, o que significa?

Péter Márki-Záy: É a fita azul pela responsabilização e contra a corrupção. Acreditamos que o maior problema na Hungria, nos últimos 30 anos, é que se tornou um país sem consequências, em que numa eleição a verdadeira questão é, na maioria das vezes, quem vai roubar e quanto. Acreditamos que agora devemos ter uma eleição após a qual ninguém vai roubar. A corrupção deve ser abolida. Queremos um país onde a corrupção não seja organizada, mas sim combatida.

O maior problema na Hungria, nos últimos 30 anos, é que se tornou um país sem consequências, em que numa eleição a verdadeira questão é, na maioria das vezes, quem vai roubar e quanto.
Péter Márki-Záy
Candidato conjunto da oposição a primeiro-ministro da Hungria

Pode isso ser feito dentro dos limites do Estado de direito, por uma maioria simples no Parlamento?

Pode ser feito pelo Estado de direito. A Hungria só será um país governado pelo Estado de direito se fizermos por isso. É claro que não consideramos que a situação atual esteja dentro dos limites do Estado de direito. Temos um Procurador-Geral que não combate a corrupção e em vez disso dá cobertura a criminosos. Está entrincheirado no poder. Ainda na semana passada, uma emenda à lei reforçou ainda mais esta situação. Consideramos a nomeação ilegítima, uma vez que serviu para manter o Fidesz no poder, tal como muitas outras medidas. Mesmo sob a atual constituição húngara, e muito menos sob a antiga constituição, a busca do poder exclusivo é inconstitucional.

Guerra civil?

Na verdade, o que está a dizer é que esta constituição pode ser anulada de alguma forma, mesmo que se obtenha apenas uma maioria simples no Parlamento. Nesse caso, isso pode conduzir a uma situação de guerra civil, segundo muitos. Não está preocupado com isso? Qual é a sua resposta a essas preocupações?

Em primeiro lugar, se algo é legal ou ilegal não tem nada a ver com guerra civil, porque quando Fidesz invadiu a democracia húngara e descarrilou o Estado de direito na Hungria, não houve guerra civil. Uma ameaça de guerra civil não pode ser o tema da discussão que devemos ter sobre o Estado de direito. E é claro que ninguém quer anular as regras da maioria de dois terços (constitucional) com uma maioria simples, basta proclamar o que um Tribunal Constitucional composto inteiramente de nomeados pelo Fidesz se esqueceu, de alguma forma, de dizer: Que estas leis são inválidas a partir do momento em que são aprovadas.

O país ainda está bastante dividido sobre esta questão. Se metade do país for chamada às ruas, isso não causaria mais problemas do que os que já existem?

Essa pergunta significa que não devemos restaurar a liberdade de imprensa, restaurar a democracia, substituir os ladrões? O facto de alguém recear que o Fidesz queira permanecer no poder por meios violentos não deve ser motivo para aceitarmos um poder completamente ilegítimo na Hungria.

Não vê qualquer dificuldade no facto de a grande maioria dos seus eleitores ser de esquerda, liberal, enquanto o senhor é um político assumidamente conservador de direita. Como pode manter esta aliança unida até às eleições?

A inovação estratégica mais importante é precisamente essa. Consegui ganhar na minha cidade e a maioria dos meus apoiantes, lá, é de esquerda.

Eles aceitaram várias vezes a experiência de, com o apoio da oposição inteira de direita e de esquerda, podermos apresentar alguém que oferece uma alternativa aceitável e credível mesmo aos eleitores de direita e antigos eleitores do Fidesz e podemos derrotar o Fidesz.

Com o apoio da oposição inteira de direita e de esquerda, podemos apresentar alguém que oferece uma alternativa aceitável e credível mesmo aos eleitores de direita e antigos eleitores do Fidesz e podemos derrotar o Fidesz.
Péter Márki-Zay
Candidato conjunto da oposição a primeiro-ministro da Hungria

Migração

Uma das questões europeias e internacionais para Viktor Orbán é a rejeição de uma política migratória comum. Qual é a sua posição sobre esta questão?

O Fidesz tenta frequentemente desacreditar os opositores e torná-los alvo de ódio, dizendo que todos querem acolher os migrantes, o que não é claramente o caso. Agora, os partidos da oposição concordaram que a vedação da fronteira será mantida, que a vedação é um instrumento legítimo para controlar a migração ilegal.

Apesar das campanhas de ódio de Viktor Orbán contra os migrantes - que são, claramente, algo que temos de rejeitar - ele aumentou o número de migrantes admitidos.

Apesar das campanhas de ódio de Viktor Orbán contra os migrantes, ele aumentou o número de migrantes admitidos.
Péter Márki-Zay
Candidato conjunto da oposição a primeiro-ministro da Hungria

Na Hungria, o número de migrantes admitidos por Orbán aumentou. Só em 2019, 55 mil migrantes de fora da UE obtiveram autorizações de residência, mas o que é particularmente escandaloso para nós - e o novo governo irá rever imediatamente esta situação - é que que o círculo de Orbán e Antal Rogán tenha concedido 20.000 autorizações de residência a migrantes ao abrigo de um esquema de obrigação de reinstalação, incluindo alguns que eram terroristas ou criminosos islâmicos internacionalmente procurados.

As práticas que Orbán tem perseguido devem ser travadas e alteradas em ambos os sentidos, sem campanhas de ódio, sem condições desumanas para pessoas e famílias por qualquer razão. Mas, ao mesmo tempo, os criminosos e terroristas que Orbán acolheu devem ser afastados do país e da União Europeia.

Como se pretende relacionar com a China e com a Rússia?

Por um lado, com amizade e fraternidade, não há dúvida sobre isso. Por outro lado, não há dúvida de que, de facto, os países ocidentais ou os Estados Unidos têm relações comerciais com estes países. A grande diferença é que estes países estão a perseguir os seus próprios interesses nacionais nas relações comerciais, enquanto Viktor Orbán só olha para a corrupção quando persegue relações e trai o seu país e a União Europeia. Do que precisamos é de um líder honesto e íntegro, não só para este país, mas também para a União Europeia, que não trairá a União Europeia e a NATO, por amor a Putin.

Há outras histórias semelhantes na região. Por exemplo, Klaus Iohannis, que se tornou presidente romeno sendo quase desconhecido, ou o primeiro-ministro eslovaco. Podemos ainda falar de Emmanuel Macron, que fundou com sucesso um grande partido do centro político, em França. Segue estes políticos? Há algum que veja como modelo?

Seguimo-los a todos, ficamos extremamente orgulhosos quando um líder autoritário ou corrupto cai em qualquer país da Europa. Mas é preciso ver que nenhum destes exemplos nasceu num regime autoritário como o de Orbán, onde a liberdade de imprensa foi praticamente eliminada, onde o poder judicial foi completamente subordinado a fins políticos e onde, por exemplo, uma lei eleitoral pode ser reescrita num dia, onde um só partido aprovou a lei eleitoral e a constituição, um único partido tem representantes no Tribunal Constitucional ou no Conselho de Imprensa. O que estamos a ver aqui é de tal forma autoritário e construído sobre campanhas de propaganda de ódio, que vai ser muito mais difícil ganhar aqui.

Nome do jornalista • Ricardo Figueira