EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Borisov favorito na Bulgária

Borisov favorito na Bulgária
Direitos de autor Valentina Petrova/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved.
Direitos de autor Valentina Petrova/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved.
De  Ricardo Figueira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Cansaço do eleitorado e vaga de Covid-19 devem provocar forte abstenção. são as terceiras eleições em sete meses.

PUBLICIDADE

A Bulgária vai às urnas este domingo pela terceira vez em apenas sete meses. O objetivo da votação é sair do impasse político em que o país está mergulhado, com os vários partidos a não se entenderem sobre a formação de um governo. A situação está a penalizar a economia daquele que é já o país mais pobre da União Europeia.

Nestas eleições, espera-se uma abstenção elevada, devido ao medo gerado pelo aumento de casos de Covid-19. O partido GERB, liderado pelo ex-primeiro-ministro Boyko Borisov, deve ficar à frente, com um resultado de cerca de 20%, segundo as sondagens.

O segundo lugar nas sondagens pertence ao partido fundado pelos antigos ministros da economia e das finanças do governo interino depois das últimas eleições, o "Continuamos a Mudança". O novo partido tem vindo a ganhar popularidade e tem como ambição chegar ao governo e ser uma alternativa a Borisov.

Os socialistas, liderados por Kornelia Ninova, deverão ficar-se pelo terceiro lugar, a acreditar nestas sondagens.

A pressão da população para que se forme um governo é maior que nunca, para evitar o que seriam as quartas eleições em pouco tempo. Mas as acusações de corrupção contra Borisov pesam na reticência dos outros partidos em formar governo com aquele que liderou os destinos da Bulgária, com apenas algumas breves interrupções, ao longo dos últimos 12 anos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Requerentes de asilo em Dublin queixam-se de tratamento “desumano”por parte do Governo

Emmanuel Macron quer resposta política para os motins

Combates e tiros a avião da Turquia ameaçam cessar-fogo no Sudão