This content is not available in your region

Itália volta a exigir testes anticovid à chegada ao país

Access to the comments Comentários
De  Ricardo Figueira
euronews_icons_loading
Vacinas em Itália
Vacinas em Itália   -   Direitos de autor  Alessandra Tarantino/AP

Itália

Este é o mais recente país a exigir testes ao Covid-19 a qualquer pessoa que entre no país, incluindo de outros países da União Europeia, independentemente de estar ou não vacinada.

O país, que foi o primeiro na Europa a sofrer os efeitos da primeira vaga, no início do ano passado, quer ter todas as armas no combate à nova variante Ómicron. As vacinas são agora obrigatórias para todos os trabalhadores das escolas, polícias, militares e trabalhadores dos serviços de emergência.

O diretor-geral da OMS advertiu para o perigo de uma nova vaga de Covid: "Já aprendemos, à nossa custa, que subestimámos este vírus. Mesmo se a Ómicron não causa uma forma tão grave da doença, o grande número de casos pode, mais uma vez, submergir os sistemas de saúde que não estão preparados.

"Já aprendemos que subestimámos este vírus, à nossa custa. Mesmo se o Ómicron não causa uma doença tão grave, o grande número de casos pode, mais uma vez, submergir os sistemas de saúde que não estão preparados", disse Tedros Adhanom Ghebreyesus.

Já aprendemos, à nossa custa, que subestimámos este vírus,
Tedros Adhanom Ghebreyesus
Diretor-geral da OMS

Países Baixos

Os cientistas acreditam que a Ómicron pode tornar-se na estirpe dominante em poucas semanas. O governo anunciou novas medidas para conter a disseminação do vírus, incluindo um começo antecipado das férias escolares de Natal. O primeiro-ministro pede também contenção nos festejos.

"Este alargamento das medidas significa que ninguém deve ter mais de quatro convidados em casa, durante estas férias. A regra é não receber em casa mais de quatro pessoas com mais de 13 anos. Não há exceções para o Natal nem para o Ano Novo", disse Mark Rutte.

Reino Unido

A nova variante do vírus está a espalhar-se pela Europa, incluindo pela Escócia, onde as autoridades emitiram também um aviso para que as pessoas moderassem os festejos. Na memória de todos está a onda de janeiro deste ano, que se fez sentir em todo a Europa e foi uma consequência direta das movimentações na época festiva.