EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Áustria aprova direito ao suícidio assistido

Áustria aprova direito ao suícidio assistido
Direitos de autor AFP
Direitos de autor AFP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Chamam-lhe um "direito limitado" ao suicídio assistido. Foi aprovado pelo parlamento austríaco e destina-se a doentes crónicos graves ou doentes terminais em plena consciência

PUBLICIDADE

O parlamento austríaco aprovou por larga maioria a legislação que autoriza o apoio a doentes crónicos graves ou sem perspectiva de recuperação que declarem vontade de morrer.

A palavra eutanásia não é referida e a lei austríaca continua a proibir o suicídio assistido ativo, mas contempla agora um dispositivo semelhante a um testamento vital, com uma malha apertada para a execução.

"Todos queremos que os nossos entes queridos e familiares estejam bem no fim da suas vidas. Que passem os seus últimos anos e o fim das suas vidas com dignidade, mas que também recebam o apoio necessário," declarou a ministra austríaca da Justiça. Mas para Alma Zadic "ao mesmo tempo, ninguém deve ter de escolher a maneira de morrer quando existem outras opções. Ninguém deve fazer esta escolha por causa de uma situação pessoal, uma situação financeira ou por causa de assuntos familiares."

A legislação pretende prevenir potenciais abusos e aplica-se apenas a adultos que comprovadamente sejam autónomos na decisão. Os cidadãos que manifestarem a vontade de morrer terão de ser ouvidos por dois médicos antes de, após um período de reflexão, registarem a intenção junto de um advogado ou de um notário. Só depois terão acesso a medicamentos letais numa farmácia.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Josef Fritzl, que prendeu e violou a filha durante 24 anos, pode ser transferido para prisão normal

Ex-chanceler austríaco Sebastian Kurz vai ser julgado por falsas declarações

Biden apoia o filho após condenação, mesmo sem indulto. "Estamos orgulhosos do homem que ele é hoje"