EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Covid-19 deixou migrantes em situação de maior vulnerabilidade

Covid-19 deixou migrantes em situação de maior vulnerabilidade
Direitos de autor Panagiotis Balaskas/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved
Direitos de autor Panagiotis Balaskas/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved
De  Nara Madeira com AP
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A pandemia de Covid~19 deixou os migrantes ainda mais vulneráveis sobretudo porque, na maior parte dos casos, não têm acesso ao processo de vacinação.

PUBLICIDADE

A pandemia de Covid-19 deixou os migrantes numa situação de ainda maior vulnerabilidade. A Organização Internacional para as Migrações e a Organização Mundial de Saúde alertam que estas pessoas estão fora dos planos de vacinação contra a doença em muitos países.

Em 180 deles, esclarecia Jacqueline Weekers, diretora da Divisão de Saúde Migratória da OIM, e de acordo com um estudo feito por este organismo, os migrantes em situação irregular não conseguem vacinar-se em pelo menos 45 países e em 46 o "acesso permanece pouco claro. O acesso equitativo aos serviços de saúde continua a ser insuficiente e há um estigma e discriminação generalizados contra os migrantes", afirmava a responsável, baseando-se em "reportagens dos média após a descoberta da variante Ómicron".

O crescente número de migrantes em todo o mundo, boa parte ilegais, significa que se não houver vacinação o vírus vai continuar a propagar-se.

O diretor do Programa de Saúde e Migração da OMS, Santino Severoni, explicava que "hoje, uma em cada trinta pessoas é migrante, uma em cada noventa e cinco é deslocada à força". Ou seja, "cerca de mil milhões de pessoas entre migrantes, refugiados, migrantes irregulares e deslocados internos que podem estar a ter falhas no acesso aos sistemas de saúde", o que é preocupante para a Organização Mundial de Saúde.

OMS e OIM apelam aos países para quebrarem as barreiras administrativas, logísticas, geográficas, culturais, linguísticas ou financeiras que fazem com que os migrantes não possam ser vacinados.

Segundo a Organização das Nações Unidas em 2019 o número de migrantes, a nível mundial, atingiu um número estimado de 272 milhões, mais 51 milhões do que em 2010. Movimentações que acontecem por variados fatores. Podem tratar-se de decisões voluntárias ou forçadas em resultado de catástrofes, desafios económicos, pobreza extrema ou conflitos. "Cerca de 281 milhões de pessoas eram migrantes internacionais em 2020, representando 3,6 por cento da população mundial", esclarecia a ONU.

Outras fontes • UNTV

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Encontrados corpos de 28 migrantes numa praia na Líbia

Países Baixos com confinamento até 14 de janeiro

Casos de Covid crescem entre migrantes na Bósnia