Casos de Covid crescem entre migrantes na Bósnia

Access to the comments Comentários
De  Ricardo Figueira
Casos de Covid crescem entre migrantes na Bósnia
Direitos de autor  AP Photo

Confrontada com uma das taxas de infeção mais altas dos Balcãs e um crescimento do vírus no seio da população geral, a Bósnia-Herzegovina faz agora face também a surtos nos campos de migrantes. Só nas últimas duas semanas, foram conhecidos 147 novos casos de infeção por Covid-19, mais de metade dos 265 registados desde o início da pandemia.

A somar a isso, há a tensão gerada pela quarentena forçada nestes campos. Esta semana, num deles, cerca de 50 migrantes fugiram de um campo. A situação está a preocupar as autoridades de saúde.

Nermina Ćemalović, responsável regional de saúde, diz: "O que nos preocupa é saber que há um grande número de migrantes infetados com a Covid-19, fora dos centros, que não conseguimos acompanhar e sobre os quais não temos responsabilidade médica, porque estão a colocar diretamente em perigo a saúde dos cidadãos do cantão de Unsko Sanski".

Cerca de 6000 migrantes estão retidos no país, à espera de uma oportunidade de entrar na Croácia, país membro da União Europeia. A maioria vive nos centros de migrantes, mas há também muitos a viver em casas abandonadas e campos de tendas, sobretudo junto à fronteira croata.

Roménia

O centro de acolhimento de migrantes de Timișoara fechou depois de 17 pessoas terem sido diagnosticadas com Covid-19. Este era o último sítio que ainda acolhia pessoas não residentes na Roménia a precisar de fazer quarentena. Este centro, instalado numa escola, estava aberto há quatro meses e por ele passaram 2300 migrantes que fizeram quarentena antes de serem transferidos para outras instalações.