Revolta no Cazaquistão já provocou dezenas de mortes após ataques a edifícios estatais

Manifestantes enfrentam a polícia em Almaty, Cazaquistão
Manifestantes enfrentam a polícia em Almaty, Cazaquistão Direitos de autor AP Photo/Vladimir Tretyakov
De  Francisco Marques
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Autoridades revelam ter "eliminado" agressores durante ataques a instituições administrativas e a esquadra de polícia. Presidente fala em terrorismo e pede ajuda aos aliados "soviéticos"

PUBLICIDADE

À entrada para o quinto dia de protestos no Cazaquistão, a notícia das primeiras mortes.

As autoridades anunciaram ter "eliminado" dezenas de agressores durante ataques a edifícios estatais de Almaty, a maior cidade e o centro económico do Cazaquistão, onde têm decorrido os protestos mais incisivos contra a crise económica e energética no país.

"Na última noite, forças extremistas tentaram invadir edifício administrativos, o departamento da polícia de Almaty assim como diretorias distritais e outras esquadras da polícia. Dezenas de agressores foram eliminados e as respetivas identidades estão a ser processadas", afirmou a porta-voz da polícia, ao canal de televisão Khabar-24.

Saltanat Azirbek acrescentou ainda estar em curso uma operação antiterrorismo na zona onde se situam os edifícios administrativos em Almaty e apelou "aos residentes e visitantes para não saírem de casa por motivos de segurança".

Dos dustúrbios resultaram ainda mais de mil feridos, incluindo 400 pessoas que tiveram de ser hospitalizadas, informou o Ministério da Saúde cazaque.

Os protestos começaram no domingo na região de Mangystau, a ocidente, junto ao Mar Cáspio, tendo no alvo da contestação o anunciado aumento do preço do gás natural.

Depois, alastraram a outras cidades, nomeadamente Almaty, no sul, e agravaram-se para uma revolta contra o regime político liderado pelo partido Nur Otan, no poder desde a independência desta antiga república soviética em 1991.

Foi noticiada na terça-feira, pela televisão estatal, a prisão do diretor e de um funcionário de uma central energética de Mangystau, sob acusação de "aumento do preço do gás sem razão".

Na sequência de uma reunião de emergência, o Presidente Kassym-Jomart Tokayev demitiu o primeiro-ministro, declarou Estado de Emergência em Almaty, mais tarde alargado a todo o país, afastou o antecessor Nursultan Nazarbayev da liderança do Conselho de Segurança nacional e começou a tratar a revolta como um ato terrorismo.

Estes grupos terroristas são grupos internacionais. Receberam formação intensiva no estrangeiro e o ataque ao Cazaquistão deve ser visto como um ato de agressão.
Kassym-Jomart Tokayev
Presidente do Cazaquistão

Tokayev já pediu inclusive a ajuda dos aliados na Organização do Tratado de Segurança Coletivo (CSTO, na sigla anglófona), um bloco similar à NATO que integra seis antigas repúblicas soviéticas, incluindo a Rússia.

A CSTO decidiu enviar forças de manutenção de Paz para "estabilizar e normalizar" a situação no Cazaquistão depois do presidente cazaque ter ameaçado os manifestantes com uma forte repressão para travar a revolta, que acabou por ser agravar nas últimas horas. Há relatos de uma intensa troca de tiros.

A agência TASS avança as Forças Aeroespaciais Russas estão a transportar unidades militares da Rússia para o Cazaquistão, como parte do contingente da CSTO

A Internet está limitada no país; as instituições financeiras estão suspensas; todos os voos internos da capital Nur-Sultan para Almaty foram cancelados; e as férias escolares foram prolongadas pelo menos até 17 de janeiro.

De acordo com a TASS, a situação na capital Nur-sultan e em Baikonur, onde se situa o centro espacial russo, mantém-se calma e sob controlo, inclusive com a Internet a funcionar normalmente. A residência do Presidente está a ser protegida por forças especiais.

Os Estados Unidos rejeitaram, entretanto, as acusações de estarem envolvidos na revolta e, tal como as Nações Unidas, apelam à alma no Cazaquistão.

O que é a CSTO?

A Organização do Tratado de Segurança Coletiva (CSTO, na sigla anglófona) é uma aliança de seis antigas repúblicas soviéticas (Arménia, Bielorrússia, Cazaquistão, Quirguistão, Rússia e Tajisquistão) fundada em fevereiro de 1992 como Forças Armadas Unidas e rebatizada escassos meses depois para Tratado de Segurança Coletiva e tornada, finalmente, CSTO em 2002.

O Usbequistão fez parte dos fundadores e em 1993 juntaram-se também o Azerbaijão e a Geórgia, mas este trio abdicou da aliança em 1999. A aliança é similar à NATO, tem uma base militar e de cooperação entre os estados. A sede está localizada em Moscovo, na Rússia, e anualmente são realizados exercícios envolvendo militares dos aliados.

A atual intervenção no Cazaquistão é a priemira operação num cenário de conflito real para as chamadas Forças de Paz da CSTO.

Site oficial da CSTO
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Governo do Cazaquistão anuncia ordem constitucional "largamente restabelecida"

Crise económica volta a custar um primeiro-ministro: Cazaquistão sob Estado de Emergência

Macron no Cazaquistão para reforçar laços