EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

"Quem não se render será eliminado", avisa presidente do Cazaquistão

"Quem não se render será eliminado", avisa presidente do Cazaquistão
Direitos de autor Vladimir Tretyakov/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved
Direitos de autor Vladimir Tretyakov/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Kassym-Jomart Tokayev dirigiu-se à nação para anunciar que autorizou as forças de segurança a disparar contra manifestantes. Dezenas de pessoas morreram e mlhares foram detidas, na sequência de protestos, nos últimos dias.

PUBLICIDADE

O presidente do Cazaquistão, Kassym-Jomart Tokayev, autorizou as forças de segurança a abrir fogo sobre os manifestantes que se insurgem no país e a disparar para matar.

Momentos depois de, esta sexta-feira, o governo cazaque ter confirmado a morte de 26 civis em protestos, Tokayev dirigiu-se à nação, para culpar os manifestantes a quem chama "terroristas", "criminosos" e "assassinos". O chefe de Estado deixou ainda o aviso: "Quem não se render será eliminado".

Num discurso emitido na televisão, o presidente começou por dizer que "a lei e a ordem são as principais garantias do bem-estar não só no Cazaquistão, mas também em todos os Estados civilizados" e que as medidas tomas pelo governo não significam "um ataque aos direitos civis e às liberdades humanas. Pelo contrário, como demonstrou a tragédia de Almaty e em outras cidades do Cazaquistão, é a não observância das leis, a permissividade e a anarquia que conduzem à violação dos direitos humanos".

Tokayev tinha já anunciado que a ordem constitucional no país estava "largamente restabelecida". A ação das autoridades cazaques foi facilitada pela chegada da ajuda de tropas russas enviadas para o Cazaquistão naquela que foi apresentada como uma intervenção para manter a paz.

O presidente responsabiliza ainda "os média livres e algumas pessoas no estrangeiro" por instigar a crise.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Novo governo no Cazaquistão

Revolta no Cazaquistão: voltam a ouvir-se tiros e Presidente declara Luto Nacional

Revolta sangrenta no Cazaquistão: Dezenas de mortos incluindo 12 agentes da lei