EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Presidente do Burkina Faso detido

Tumultos na capital do país
Tumultos na capital do país Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Presidente Roch Kabore terá sido detido pelos militares revoltosos

PUBLICIDADE

O presidente do Burkina Faso, Roch Marc Christian Kabore, terá sido detido por militares rebeldes. A informação foi avançada por dois soldados, à Associated Press, no entanto, foi negada pelo ministro da Defesa Aime Barthelemy Simpore.

Na noite de domingo, foram registados tiros e tumultos junto ao Palácio presidencial, em Ouagadougou.

Militares e população protestaram contra a incapacidade de Kabore para conter o avanço dos jihadistas e para proteger devidamente as comunidades.

"Estamos, atualmente, sob outra forma de ditadura que não tem nome (...) Um presidente que não é capaz de tomar medidas de segurança para proteger a própria população, não é um presidente digno desse título", refere um burquinabê.

No domingo, centenas de pessoas saíram às ruas da capital do Burkina Faso manifestando apoio aos militares revoltosos que tomaram o controlo do quartel militar de Lamizana Sangoule.

A manifestação foi reprimida pelas autoridades que usaram gás lacrimogéneo para dispersar as multidões.

O Governo de Roch Marc Christian Kabore tem vindo a ser contestado pela população, nos últimos dias devido ao modo como lidou com a insurreição islâmica.

Os ataques jihadistas no Burkina Faso são frequentemente atribuídos a grupos afiliados à rede terrorista Al Qaida e ao autoproclamado Estado Islâmico, especialmente na região norte do Sahel, mas têm-se espalhado pelas regiões vizinhas e, desde 2018, pelo leste do país.

A insegurança fez aumentar o número de deslocados internos para pouco mais de 1,5 milhões, de acordo com números do Governo de Burquinabê.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Líder de golpe militar do Burkina Faso não se compromete com eleições

Três turistas espanhóis mortos a tiro no Afeganistão

Ataque terrorista de Moscovo: tribunal rejeita recurso de um dos suspeitos