EventsEventos
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Tribunal Europeu aprova "mecanismo do Estado de Direito"

Tribunal Europeu aprova "mecanismo do Estado de Direito"
Direitos de autor Geert Vanden Wijngaert/Copyright 2017 The Associated Press. All rights reserved.
Direitos de autor Geert Vanden Wijngaert/Copyright 2017 The Associated Press. All rights reserved.
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Derrota para os governos de Varsóvia e Budapeste neste braço-de-ferro com a Comissão Europeia.

PUBLICIDADE

O Tribunal Europeu de Justiça (TEJ) deu um parecer favorável à introdução do chamado "mecanismo do Estado de Direito", que faz depender as ajudas europeias a cada um dos Estados-membros do respeito, ou não, das regras do Estado de Direito por parte dos governos.

O TEJ confirmou assim a legalidade de um regulamento que permite à Comissão Europeia congelar o pagamento de ajudas (incluindo as previstas no fundo de recuperação) se detetar violações do Estado de Direito que afetem os interesses da UE.

A ação no TEJ foi movida pelos governos da Polónia e da Hungria, depois da introdução deste mecanismo por parte da Comissão Europeia. A ativação estava dependente do parecer do Tribunal e pode agora avançar.

A Hungria e a Polónia argumentavam que o mecanismo era especificamente dirigido contra os seus governos, e que carecia de base jurídica adequada e interferia com as competências dos Estados-membros.

Mas o tribunal argumentou que "a boa gestão financeira" do bloco europeu pode ser "gravemente ameaçada por violações" do Estado de Direito.

A ministra da Justiça húngara, Judit Varga, reagiu, entretanto, numa mensagem no Facebook e no Twitter, classificando o parecer do tribunal como uma decisão politica que demonstra o abuso de poder das instituições da União Europeia, e uma nova pressão sobre a Hungria, que no verão aprovou uma lei de defesa dos menores, equiparando a homossexualidade à pedofilia.

O Fidesz, partido do primeiro-ministro ultranacionalista Viktor Orbán, que detém a maioria absoluta no Parlamento húngaro, afirmou em comunicado que o acórdão do TEJ estava programado para influenciar de forma negativa as eleições legislativas de 3 de abril.

Apesar do mecanismo estar em vigor desde o início de 2021, a Comissão Europeia não queria acioná-lo até haver uma decisão do tribunal. O mecanismo também fornece um acordo entre os chefes de Estado e de Governo.

Os eurodeputados vão debater esta quarta-feira à tarde os fundos europeus para a Polónia e para a Hungria.

Inicialmente estava confirmada a presença de Ursula von der Leyen, mas a presidente da Comissão Europeia informou que não vai participar nos debates, uma decisão que justificou com a crise na Ucrânia.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Estado de direito na Polónia promete ensombrar cimeira em Bruxelas

Justiça europeia analisa recurso Mecanismo do Estado de Direito

Só países que respeitam o Estado de Direito devem receber fundos da UE