This content is not available in your region
Dois membros das tropas civis ucranianas conversam na câmara municipal de Kiev
Dois membros das tropas civis ucranianas conversam na câmara municipal de Kiev   -   Direitos de autor  AP Photo/Efrem Lukatsky

Guerra na Ucrânia, dia 4: Zelenskyy liga a Marcelo, UE e Turquia pressionam Putin

Quarto dia da invasão russa na Ucrânia, ordenada por Vladimir Putin. O cerco a Kiev intensificou-se na madrugada deste domingo e os combates entraram no centro de Kharkiv, a segunda maior cidade do país, situada no nordeste do país e ainda sob controlo ucraniano.

União Europeia anuncia o fecho do espaço aéreo dos 27 Estados-membros às companhias de aviação russas, a todos os aviões detidos por russos ou registados na Rússia, e ainda o financiamento da compra de armas para ajudar a Ucrânia a resistir contra a invasão ordenada quinta-feoira por Vladimir Putin. O bloco europeu vai ainda banir alguns meios de comunicação russos.

"Pela primeira vez na história, a União Europeia vai financiar a compra e a entrega de armas e outro equipamento a um país que está a ser atacado", anunciou a Presidente da Comissão Europeia Ursula von der Leyen, garantindo que os aviões com ligação à Rússia vo deixar de descolar, aterrar e voar em território do bloco europeu.

A Turquia admite bloquear o acesso dos navios de guerra da Rússia ao estreitos do Bósforo e de Dardanelos, as duas ligações marítimas do Mar Negro ao Mediterrâneo**.**

"Concluímos que a situação na Ucrânia se tornou numa guerra e vamos implementar as disposições da convenção de Montreaux de forma ransparente", afirmou o ministro dos Negócios Estrangeiros Mevlüt Çavuşoğlu, citado pelo Guardian.

A decisão marca uma alteração da posição neutral que a Turquia vinha manifestando em relação à invasão russa da Ucrânia e vai ao encontro dos termos da convenção que admite ao gestor reconhecido dos estreitos o bloqueio dos mesmos em caso de guerra.

Vladimir Putin terá concordado em encetar negociações com o Governo da Ucrânia sem impor quaisquer condições prévias, como antes havia exigido, nomeadamente o reconhecimento da anexação da Crimeia e a rejeição da NATO.

"É já uma vitória", reagiu o ministro dos Negócios Estrangeiros ucraniano, Dmytro Kuleba, garantindo que a Ucrânia "não vai abdicar de um centímetro do seu território" a favor do Kremlin.

Kuleba mostra-se otimista, disse estar em curso "uma guerra entre o presidente Putin e o povo ucraniano" e garantiu haver "determinação na vitória sobre a Rússia". "Tal como derrotámos o monstro anterior na Europa há 80 anos", afirmou em mais uma comparação entre Putin e Hitler.

O acordo para as negociações surgiu após Vladimir Putinter ordenado o Ministério da Defesa e o Chefe do Estado-Maior para colocarem "as forças de dissuasão em modo de alerta para combate" após o agravamento da pressão internacional sobre a invasão russa em curso na Ucrânia.

Os meios de comunicação ocidentais estão a interpretar as palavras do presidente russo considerando as referidas "forças de dissuasão" como incluindo as armas nucleares da federação.

A Ucrânia entende este alerta como uma manobra de pressão antes das negociações e os Estados Unidos acusam o líder russo de estar "a fabricar ameaças que não existem".

"Este é um padrão repetido que temos visto do presidente Putin durante este conflito, que consiste em fabricar ameaças que não existem para justificar uma agressão contínua", afirmou Jenn Psaki, a porta-voz da Casa Branca.

O secretário-geral da NATO entende o alerta russo como "uma retórica perigosa e um comportamento irresponsável" de Putin, que "acentua ainda mais a gravidade do situação no terreno".

A Bielorrússia mostra-se disponível para receber armas nucleares se os países vizinhos, Polónia e Lituânia, ambos membros da NATO, também as tiverem e avisa que a "Rússia está a ser empurrada para uma terceira guerra mundial".

O líder bielorrusso, Aleksander Lukashenko falou esta manhã com o homólogo Zelenskyy, com quem terá acordado receber o encontro entre delegações ucranianas e russas na fronteira, sob condição de não usar qualquer força militar contra território ucraniano até ao final do encontro.

Rússia revela nervosismo

Mostrando algum nervosismo após o agravar das sanções ocidentais, a Rússia exigiu à Alphabet, detentora da multiplataforma Google, o restabelecimento do acesso aos canais oficiais de Youtube no território ucraniano.

A agência federal Roskomnadzor exige a retirada dasrestrições impostas aos canais russófonos RBC, TV Zvezda e Sputnik, avançou a Reuters.

A exigência russa surge depois de na sexta-feira o Kremlin ter ordenado a limitação do acesso às plataformas da Meta, a empresa mãe da Facebook, por alegada "censura" aos meios de comunicação russos.

AP Photo/Alexei Nikolsky
Putin recebe responsáveis da defesa e das forças armadasAP Photo/Alexei Nikolsky

A Agência Federal dos Transportes Aéreos, a Rosaviatsia, está a pedir às transportadoras russas para respeitarem os direitos dos passageiros nos voos internos e também para os voos previstos para o enclave de Kalinegrado, entre a Polónia e a Lituânia.

O Presidente da Ucrânia submeteu uma queixa contra a Rússia ao Tribunal Penal Internacional, em Haia, e pede uma decisão urgente.

"A Rússia tem de ser responsabilizada por manipular a noção de genocídio para justificar a agressão. Pedimos uma decisão urgente, ordenando a Rússia a parar a atividade militar já e aguardar julgamentos a partir da próxima semana", escreveu Volodymyr Zelenskyy nas redes sociais.

A Ucrânia está a tentar organizar uma espécie de "legião estrangeira" de cidadãos não ucranianos amigos do país para combater contra a invasão russa.

"Todos os estrangeiros que desejem juntar-se à resistência contra os ocupantes russos e proteger a segurança mundial são convidados pelas autoridades ucranianos a juntar-se às forças de defesa", anunciou o Presidente Zelenskyy, numa das várias mensagens difundidas este domingo.

Ajuda internacional à Ucrânia

Portugal e Roménia, dois membros da União Europeia e da NATO, anunciaram o envio para a Ucrânia de equipamentos militares, incluindo "óculos de visão noturna e munições de diferentes calibres", por parte dos portugueses, combustível e coletes à prova de bala", pelos romenos.

Portugal antecipou o fecho pela União Europeia do espaço aéreo a companhias russas. O Canadá também se juntou ao embargo europeu à aviação civil russa.

O governo italiano anunciou ainda "o pagamento imediato de 110 milhões de euros ao Governo ucraniano", num "sinal concreto de solidariedade e apoio a um povo" com quem os italianos têm "uma relação fraterna", escreveu o ministro dos Negócios Estrangeiros Luigi di Maio nas redes sociais.

O Papa Francisco aproveitou a missa deste domingo para manifestar apoio ao povo ucraniano. "Deus está com quem promove a Paz, não com quem recorre à violência", defendeu o líder da igreja católica, no Vaticano, dando força ao apelo urgente de ajuda humanitária aos deslocados pela invasão russa e condenando aqueles que "confiam na diabólica e perversa lógica das armas".

AP Photo/Efrem Lukatsky
Resistência ucraniana não olha a géneros para se defenderAP Photo/Efrem Lukatsky

Na Alemanha, o chanceler mostrou solidariedade com o povo da Ucrânia e considerou a ofensiva russa como "criminosa".

Scholz diz que nunca houve tanta união como agora e que a ideia de Putin recuperar o império russo tem de reger as ações futuras dos aliados, justificando desta forma a constituição de um fundo extraordinário para financiar as forças armadas alemãs.

A partir do próximo orçamento federal, o governo alemão vai passar a contribuir com 2% do PIB para a Defesa.

Neste esforço de modernização militar, o chanceler disse que queria "construir novas armas com parceiros como a França", um dos principais promotores da criação de um exército europeu para defesa dos "27".

Olaf Scholz falou do envio de armamento para ajudar a resistência da Ucrânia, sublinha "o isolamento de Putin" no palco internacional e defendeu que as "sanções resultam".

Explicou a mudança de posição em relação à exclusão de bancos russos do sistema SWIFT, que agora a Alemanha apoia e que foi anunciada pela Presidente da Comissão Europeia na noite de sábado.

O chanceler separa o líder do Kremlin dos russos e lembra amizade histórica entre ambos os povos, russo e alemão, sendo muito aplaudido pelos deputados alemães, num Parlamento com muita gente a envergar vestuário nas cores da bandeira da Ucrânia.

O Japão também se juntou à exclusão europeia e americana de sete bancos da Rússia no sistema bancrio SWIFT, que permite pagamentos internacionais e estando bloqueado afeta as exportações e importações do país afetado.

Resistência firme em Kiev

O Presidente Volodymyr Zelenskyy telefonou este domingo a Marcelo Rebelo de Sousa e atualizou o homólogo português da situação na Ucrânia.

"O Presidente da República reiterou a condenação veemente de Portugal e o apoio solidário à corajosa resistência ucraniana. Apoio esse cuja concretização tem sido efetivada pelo Governo, nomeadamente através dos Ministérios competentes. Sublinhou igualmente o papel da excecional comunidade ucraniana em Portugal", lê-se na nota publicada pela presidência portuguesa, onde ainda é enaltecida "a parceria no âmbito da política europeia de vizinhança da qual a Ucrânia é parte".

Zelesnkyy mantém-se na capital ucraniana, a difundir mensagens regulares pelas redes sociais para tentar mitigar o impacto da desinformação, uma das armas que tem sido utilizada pelo Kremlin para tentar acelerar o derrube do atual governo ucraniano.

AP Photo/Efrem Lukatsky
Soldado ucraniano em Kiev este domingo de manhãAP Photo/Efrem Lukatsky

A Rússia noticiou esta manhã a eventual abertura do líder ucraniano para negociar, mas Zelenskyy desmentiu a informação avançada pelo porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, que apontava Minsk como o local acordado para as negociações.

O presidente ucraniano admite negociar, mas num primeiro momento apenas noutro país não envolvido na "agressão" à Ucrânia.

Entretanto, como revelou pelo Facebook, Zelenskyy admitiu em conversa com o homólogo bielorrusso Lukashenko um encontro entre delegações ucranianas e russas na zona fronteiriça do rio Pripyat, mas "sem condições prévias", como exige o Kremlin.

"Lukashenko assumiu a responsabilidade de durante o encontro os aviões, helicópteros e mísseis colocados na Bielorrússia se mantenham no solo", acrescentou o Presidente da Ucrânia.

Zelensky apelou inclusive aos cidadãos estrangeiros na Ucrânia a pegar nas armas e a juntarem-se à resistência contra a invasão russa. Pelo menos um português, Alexandre Pinto, atualmente em Poltava, já confessou à Rússia que ir pegar em armas e juntar-se ao que chamou de "tropas civis" ucranianas.

O Presidente ucraniano acusa a Rússia de estar a bombardear áreas residenciais, nomeadamente em Kiev, e prometeu manter a luta "tanto quanto possível para libertar o país".

"A noite passada foi brutal na Ucrânia. De novo, houve tiroteios, bombardeamentos de áreas residenciais e infraestruturas civis. Hoje, não existe nada no país que os agressores não considerem como um alvo. Combatem contra todos. Combatem contra tudo que mexe, contra infantários, contra edifícios residenciais e até contra ambulâncias", denunciou Zelenskyy.

Em Moscovo, há russos a prestar tributo este domingo de manhã a Boris Nemtsov, um conhecido opositor de Vladimir Putin que foi assassinado a 27 de fevereiro de 2015 numa ponte perto do Kremlin.

"Boris estaria em choque com esta guerra. Sentimos muita a falta dele", afirmou Tatyana Golika, citada pelo jornal Guardian,uma das pessoas que depositou flores no local onde foi assassinado Nemtsov.

O balanço de vítimas e deslocados

A Agência da ONU para os Refugiados estima haver já mais de 368 mil deslocados devido à invasão russa na Ucrânia e esse número continua a aumentar, sublinha o organismo, citando as autoridades nacionais implicadas no êxodo.

O porta-voz da agência, Chris Melzer, está a enviar relatos da fronteira polaca e, na noite de sábado, adiantava haver uma espera de 40 horas na fuga à guerra, numa noite com temperaturas de menos dois graus centígrados, estimando terem entrado na Polónia entre as 07h da manhã locais e as 22 horas mais de 45 mil deslocados oriundos da Ucrânia.

A ministra adjunta da Defesa da Ucrânia, Hanna Malyar, afirmou este domingo que a Rússia já ter perdido cerca de 4.300 soldados nesta invasão da Ucrânia, mais de 140 tanques, 27 aviões e 26 helicópteros. Um balanço que requer ainda confirmação imparcial.