EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Marcelo Rebelo de Sousa quer terrorismo derrotado em Moçambique

Visita de Marcelo Rebelo de Sousa aos militares em Moçambique
Visita de Marcelo Rebelo de Sousa aos militares em Moçambique Direitos de autor JOSÉ COELHO/LUSA
Direitos de autor JOSÉ COELHO/LUSA
De  euronews com LUSA
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Presidente português garante que fim do conflito em Cabo Delgado é prioridade para Portugal e para a União Europeia

PUBLICIDADE

Marcelo Rebelo de Sousa assegura que a resolução do conflito na província moçambicana de Cabo Delgado é uma prioridade para Portugal e para a União Europeia.

No último dia da visita de três dias a Moçambique, o chefe de Estado português visitou duas unidades da missão de formação militar da União Europeia, uma no Chimoio, na província de Manica, e outra no distrito da Katembe, nos arredores de Maputo.

Rebelo de Sousa sublinhou a necessidade de Moçambique garantir a segurança das populações e a vitória sobre o terrorismo.

"Essa vitória é uma vitória militar, por um lado, mas também uma vitória económica, uma vitória social, uma vitória humana. A vitória total significa permitir que as populações possam desenvolver a sua atividade, normalmente, não ficando condicionadas pela existência de terrorismo", disse.

O presidente português assegurou que as relações entre Portugal e Moçambique estão num "caminho excelente" e "a avançar em todas as frentes".

O chefe de Estado garantiu que assim que novo Executivo liderado por António Costa tomar posse, será marcada a cimeira bilateral entre os dois países, adiada devido à antecipação das eleições legislativas em Portugal.

Marcelo Rebelo de Sousa despediu-se de Moçambique anunciando um eventual regresso, em agosto, para a reabertura da catedral de Quelimane, na província da Zambézia, estando em cima da mesa a hipótese de uma visita a Cabo Delgado.

A província do norte de Moçambique, rica em gás natural, é desde 2017 aterrorizada por grupos armados, alguns com ligações ao autoproclamado Estado Islâmico.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Guerra na Ucrânia, dia 4: Zelenskyy liga a Marcelo, UE e Turquia pressionam Putin

Exportação de gás natural liquefeito arranca em Moçambique

Moçambique vai receber mais de 148 milhões de euros da União Europeia