This content is not available in your region

Corredores humanitários "imorais"

Access to the comments Comentários
De  Teresa Bizarro  com Agências
euronews_icons_loading
Corredores humanitários "imorais"
Direitos de autor  Emilio Morenatti/Copyright 2019 The Associated Press. All rights reserved

Os corredores humanitários propostos pela Rússia "são imorais". O porta-voz do presidente ucraniano reage desta forma aos traçados que Moscovo desenhou para retirar civis de áreas tomadas ou cercadas pelo exército russo na Ucrânia.

O novo plano de evacuação foi apresentado pelo Kremlin esta segunda-feira. Todos os caminhos vão dar à Rússia ou Bielorrússia.

"Hoje, a partir das 10 horas, hora de Moscovo, foi declarado um 'regime de silêncio', e abrem-se seis corredores humanitários: um de Kiev a Gomel; dois de Mariupol a Zaporijia e Rostov-on-Don; um de Kharkiv a Belgorod; dois de Sumy a Belgorod e a Poltava," anunciou Igor Konashenkov, porta-voz do Ministério russo da Defesa.

Kiev rejeitou a proposta feita pelo Kremlin. Diz que os corredores humanitários propostos terminam em "território inimigo" e acusa Moscovo de usar o sofrimento da população para fazer propaganda.

Nas palavras da vice-primeira-ministra ucraniana, "esta é uma opção inaceitável para criação de corredores humanitários". "O nosso povo de Ivankiv, Dymer, Vyshhorod e Kiev não irá para a Bielorrússia para voar mais tarde para a Federação Russa," afirma Iryna Vereshchuk.

Macron considera proposta "cínica"

O presidente francês Emmanuel Macron criticou a retórica "hipócrita" e o "cinismo" de Moscovo sobre os corredores humanitários para civis ucranianos em direção à Rússia.

"Os actores humanitários precisam de poder intervir, por isso temos de conseguir um cessar-fogo total quando intervêm para colocar sob protecção mulheres, crianças, homens que precisam de ser protegidos. E (devemos) ser capazes de os tirar da área de conflito", disse Macron esta segunda-feira, numa entrevista ao canal de notícias francês LCI.

A questão não será resolvida através de "corredores que estão a ser imediatamente comprometidos (", disse Macron. Dizer que "vamos proteger as pessoas trazendo-as para a Rússia" é "hipócrita", acrescentou ele. "Isto é cinismo" que é "insuportável", afirmou.

Macron abordou a questão publicamente depois de Moscovo ter dito que a nova proposta de corredores humanitários foi anunciada a seu pedido, na sequência de uma conversa telefónica com Putin no domingo. 

O Comité Internacional da Cruz Vermelha denunciou entretanto uma tentativa falhada de retirar várias pessoas da cidade ucraniana de Mariupol. Os chamados corredores humanitários conduziam a um terreno minado. A organização pede um acordo urgente nesta matéria

Desde sábado, Rússia e a Ucrânia acusam-se mutuamente de violarem as várias tréguas acordados para permitir a saída de civis.