EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Putin pondera "cenário coreano"

Putin pondera "cenário coreano"
Direitos de autor Rodrigo Abd/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved.
Direitos de autor Rodrigo Abd/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved.
De  Euronews
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Chefe dos serviços secretos da Ucrânia diz que Moscovo quer dividir o país

PUBLICIDADE

Um dia depois do ataque aéreo, os bombeiros conseguiram extinguir o incêndio na cidade ucraniana de Lviv, situada a 80 quilómetros da Polónia. Os bombardeamentos russos atingiram depósitos de combustível e pelo menos cinco pessoas ficaram feridas.

Hoje, o chefe dos serviços secretos ucranianos disse que Vladimir Putin quer dividir a Ucrânia em duas partes, reproduzindo a divisão do pós-guerra entre a Coreia do Norte e a Coreia do Sul. O General Kyrylo Budanov, que em novembro alertou para a invasão da Rússia, acrescentou que Moscovo não tinha sido incapaz de "engolir" o país e terá de enfrentar uma guerra de guerrilha.

O aviso do chefe dos serviços secretos ucranianos acontece na mesma altura em que o líder da autoproclamada República Popular de Lugansk, na região de Donbass, coloca a possibilidade de realizar um referendo no território para se tornar parte da Rússia. Este domingo, disse que o povo poderá exercer, em breve, o direito previsto na lei de expressar a sua opinião sobre este assunto.

O presidente ucraniano voltou a pedir aos Estados Unidos e à Europa tanques e aviões para combater a invasão russa. Pediu coragem aos parceiros do ocidente e deu o exemplo de quem está no terreno a defender Mariupol. Segundo as autoridades ucranianas, desde o início da invasão russa, mais de 2 mil civis morreram nesta cidade considerada estratégica para Moscovo, porque permite uma ligação terrestre entre as regiões de Donbass e da Crimeia.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Forças Armadas ucranianas não baixam as armas

Blinken faz visita surpresa a Kiev para dar "sinal de tranquilidade" aos ucranianos

Metsola confiante que negociações de adesão da Ucrânia à UE vão começar antes do final de junho