Invasão russa da Ucrânia entra no 33.° dia e com novo frente a frente em Istambul

Access to the comments Comentários
De  Francisco Marques
Funeral de um ucraniano em Yuzhine, na região de Odessa
Funeral de um ucraniano em Yuzhine, na região de Odessa   -  Direitos de autor  AP Photo/Max Pshybyshevsky

Com nova ronda de negociações de Paz iminente em Istambul, num novo frente a frente entre delegações de ambos os lados, a invasão russa da Ucrânia cumpre esta segunda-feira o 33.° dia.

A destruição de diversas cidades e a fuga de muitos ucranianos da agressão ordenada pelo Kremlin continuam.

No final de um dia marcado por fortes declarações de Joe Biden, a considerar que Vladimir "Putin não pode continuar no poder", o Alto-comissariado das Nações Unidas para os Refugiados confirmou 2.909 civis vítimas do ataque da Rússia à Ucrânia, incluindo quase 1.119 mortos, entre eles 99 crianças.

Os feridos confirmados ascendem aos 1.790, "incluindo 126 crianças, a maioria devido a bombardeamentos e ataques aéreos".

"O ACNUR acredita que os números reais são muito mais altos, em especial nos territórios controlados pelo governo (da Ucrânia) e em particular nos últimos dias, com a informação proveniente de alguns dos locais onde têm havido intensos combates a ser retardada e muitos relatórios ainda a aguardar verificação", lê-se num comunicado da entidade.

O Presidente ucraniano mantém-se muito ativo nas denúncias de crimes de guerra imputados ao Kremlin, nos apelos ao cessar-fogo e à retirada russa do território ucraniano.

Na véspera da retomada das negociações em presença com Moscovo, Volodymyr Zelenskyy reiterou a soberania dos ucranianos, que terão de validar em referendo as decisões acordadas com o Kremlin, disse querer assinar acordos sobre o respeito recíproco das línguas, história e valores culturais com todos os países vizinhos, incluindo a Rússia, e destacou a questão de segurança.

"Este ponto, o das garantias de segurança para a Ucrânia, e que (a Rússia) também diz ser importante para eles, este ponto nas negociações é compreensível para mim. Está a ser discutido e cuidadosamente estudado", afirmou Volodymyr Zelenskyy, durante uma entrevista com diversos jornalistas russos divulgada pelo portal da presidência ucraniana.

Do lado da Rússia, Vladimir Putin celebrou o Dia da Guarda Nacional e agradeceu a bravura da força criada há seis anos no que continua a descrever como uma "operação especial na Ucrânia".

Já após a controvérsia com Joe Biden, que viria a garantir não ter defendido a deposição de Putin no Kremlin, o Presidente da Rússia falou por telefone com o homólogo da Turquia.

Putin e Erdogan acordaram realizar as negociações presenciais com a Ucrânia em Istambul.

O frente a frente entre delegações deverá acontecer terça e quarta-feira, de acordo com a agência russa TASS, citando Vladimir Medinsky, o representante do líder do Kremlin à cabeça da delegação russa, enquanto David Arakhamia, da delegação ucraniana, admitiu, citado pela Interfax, que o encontro podia acontecer já esta segunda-feira.

As negociações são retomadas numa altura em que cada vez mais e mais residentes de Mariupol abandonam a cidade costeira do Mar de Azov, sitiada há semanas pelas forças russas. Os militares afetos ao Kremlin tentam ligar por terra a região separatista do Donbass à Crimeia.

As milícias separatistas de Donetsk garantem ter montado um acampamento para acolher os deslocados de Mariupol, mas a Ucrânia acusa a Rússia de estar a forçar os residentes da cidade a deslocarem-se para zonas que controla depois de os ter bombardeado indiscriminadamente.

À Finlândia chegou, entretanto, a ultima ligação ferroviária proveniente da Rússia. Os proprietários finlandeses do serviço decidiram suspender a dupla ligação diária entre Helsinquia e São Petersburgo, interrompendo uma rota por onde muitos russos têm fugido da opressão do Kremlin.

A medida finlandesa vem agravar ainda mais o isolamento internacional da Rússia e colocar pressão sobre os opositores internos de Putin, para quem já não é tão fácil simplesmente fugir da perseguição a quem critica o Kremlin ou a invasão da Ucrânia.

Outras fontes • AP, TASS, Interfax