This content is not available in your region

Zelenskyy diz que"paz não será o resultado de decisões do inimigo"

Access to the comments Comentários
De  euronews
euronews_icons_loading
Bucha destruída pelas forças russas
Bucha destruída pelas forças russas   -   Direitos de autor  RONALDO SCHEMIDT/AFP

Bucha era, até à invasão russa, uma localidade pacata nos subúrbios a noroeste da capital ucraniana, Kiev. Tal como a vizinha Irpin, um mês depois de batalhas ferozes com as forças invasoras, o cenário é de destruição.

O exército da Ucrânia recuperou o controlo da cidade...

Nas ruas, pelo menos 20 cadáveres de civis jazem no chão... Um dos corpos estava de mãos atadas.

Não se sabe ao certo quais são as causas das mortes, mas relatos de locais, recolhidos pelas agências noticiosas, dizem que estas pessoas foram assassinadas sem razão aparente por soldados russos enquanto retiravam...

O presidente da Ucrânia afirmou que a guerra está a entrar numa fase crítica, pois os militares russos parecem estar a recuar enquanto as forças ucranianas vão retomando o controlo de várias regiões.

Volodymyr Zelenskyy afirmou que "a arquitetura de segurança global falhou. A paz não será o resultado de quaisquer decisões do inimigo algures em Moscovo. Não se deve acalentar esperanças vazias de que eles simplesmente deixem o país. Só se pode lutar pela paz e pode-se obtê-la em duras batalhas e simultaneamente em negociações, e simultaneamente em trabalho diário vigoroso".

Mais de uma dezena de veículos blindados russos foram destruídos e abandonados nos arredores da localidade de Dmytrivka, a cinco quilómetros a sudoeste de Irpin.

Em Enerhodar, perto da central nuclear de Zaporizhia, os combates continuam.

No sábado, a agência nuclear estatal ucraniana divulgou imagens dos confrontos...

Tanto a cidade como a central, que gera mais de um quinto da eletricidade da Ucrânia e é uma das maiores instalações nucleares da Europa, estão sob controlo russo desde quatro de março, de acordo com a Interfax Ucrânia.

O líder checheno, Ramzan Kadyrov, partilhou, nas redes sociais, imagens de voluntários a caminho da Ucrânia e de uma unidade de combate que alegou estar a operar em Mariupol.

Kadyrov identificou os combatentes, num segundo vídeo, como os "bravos combatentes do lendário regimento Akhmat-Khadzhi Kadyrov" que assaltaram uma fábrica em Mariupol.