Alemães regressam à escola para aprender ucraniano

Alemães regressam à escola para aprender ucraniano
Alemães regressam à escola para aprender ucraniano Direitos de autor -Screenshot- AP
De  Bruno Sousa
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Número de cursos de ucraniano dispara para fazer face à procura das famílias de acolhimento

PUBLICIDADE

Quem foge da guerra na Ucrânia depende muitas vezes da boa vontade de famílias de acolhimento mas nem sempre essa boa vontade é suficiente para ultrapassar as barreiras linguísticas.

Na Alemanha, cresce o número de pessoas que está a resolver o problema com um regresso à escola. É o caso de Susanne Hoefer, que decidiu aprender o ucraniano uma vez que "na nossa família não falamos inglês e é muito difícil comunicar. Nem sempre é fácil recorrer às aplicações móveis, por isso estou a tentar aprender um pouco, pelo menos o básico."

Na cidade de Colónia, o Centro de Educação para Adultos começou recentemente a dar aulas de ucraniano para as famílias de acolhimento e a iniciativa tem sido um sucesso.

Anja Kischel, é responsável pelo ensino de línguas no Centro de Educação para Adultos de Colónia e diz que "há uma grande procura (pelo ucraniano). Assim que lançámos o curso, recebemos as primeiras inscrições e rapidamente ficou completo. Estamos já a preparar os próximos cursos e brevemente vamos conseguir disponibilizar uma oferta variada: cursos intensivos, cursos rápidos, cursos online, cursos personalizados... podemos responder à procura existente."

De acordo com as autoridades alemãs, já chegaram ao país mais de 330 mil refugiados ucranianos desde o início da guerra, mas estima-se que o número real seja superior uma vez que não há controlos rigorosos na fronteira e os ucranianos podem ficar no país até 90 dias sem necessidade de visto.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ajuda humanitária a caminho de Nagorno-Karabakh

Rússia bombardeia cidades no ocidente da Ucrânia

Inventor britânico testa traje voador nas montanhas da Noruega