Volodymyr Zelenskyy pede ajuda a Portugal

Volodymyr Zelenskyy é ovacionado de pé no parlamento português
Volodymyr Zelenskyy é ovacionado de pé no parlamento português Direitos de autor Extrato de imagens cedidas por RTP/EURONEWS
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Presidente ucraniano dirigiu-se por vídeo aos políticos portugueses para apelar ao apoio à Ucrânia na guerra contra a Rússia.

PUBLICIDADE

Com a Assembleia da República em apontamentos de azul e amarelo, não foram precisos 15 minutos para Volodymyr Zelenskyy dizer ao que vinha ao parlamento português.

Por videoconferência, a partir de Kiev, o presidente ucraniano dirigiu-se, esta quinta-feira, aos deputados que o quiseram ouvir para relatar o que diz ser "os horrores da ocupação russa" e pedir mais armamento, o embargo ao petróleo proveniente da Rússia e que apoiem a entrada da Ucrânia na União Europeia.

Numa intervenção especialmente dirigida ao "povo português", Zelenskyy recorreu à história de Portugal para sublinhar o que une os dois países.

"O vosso povo vai celebrar, daqui a nada, o aniversário da Revolução dos Cravos, que também vos libertou da ditadura, vocês sabem perfeitamente o que estamos a sentir. Vocês certamente sabem o que outros povos estão a sentir, especialmente na nossa região, querem ter liberdade. Vocês sabem o que traz a morte e a ditadura à Ucrânia. Depois da Ucrânia, vão tentar fazer o mesmo na Moldávia, na Geórgia, nos países bálticos, no Cazaquistão e noutros países dos quais a Rússia pode facilmente lavar as mãos. A Rússia pode ser detida. Podemos deter a ditadura russa na Ucrânia", declarou o chefe de Estado ucraniano.

O presidente da Ucrânia pediu ainda aos deputados que "lutem contra a propaganda russa" nos países africanos de língua portuguesa.

Apelos que mereceram uma ovação de pé, da esquerda à direita, exceto da bancada do Partido Comunista Português (PCP), que, por não concordar com a intervenção de Zelenskyy no parlamento, optou por estar ausente.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Filósofos ucranianos lutam contra os russos

Ucrânia receia grande avanço russo no próximo verão

Dezenas de detenções em toda a Rússia no dia do funeral do "herói" Navalny