Filósofos ucranianos lutam contra os russos

Largaram os livros e pegaram em armas para combater os invasores
Largaram os livros e pegaram em armas para combater os invasores Direitos de autor Efrem Lukatsky/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved.
Direitos de autor Efrem Lukatsky/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved.
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Largaram os livros e pegaram em armas para defender a Ucrânia

PUBLICIDADE

Olexandr Komarov, que em fevereiro estava a trabalhar na tese de doutoramento, valeu-se dos ensinamentos básicos que obteve durante o serviço militar obrigatório, há 17 anos para combater os russos. E explica porque o faz.

"Não há liberdade intelectual num país autoritário. Eu não quero ser refugiado. Quero viver no meu país, por isso luto. Tenho certeza de que toda a sociedade ucraniana luta connosco", afirma.

Komarov foi ferido durante os bombardeamentos russos. O jovem filósofo está determinado em voltar à linha da frente, assim que lhe for possível.

"Nós, ucranianos, não estamos a lutar apenas pelo nosso país. Estamos a lutar por toda a arquitetura política do século XXI", assegura.

Outro filósofo ucraniano, Yury, pai de 5 filhos e professor, tornou-se num francoatirador do exército. De acordo com a lei ucraniana, homens com três filhos, ou mais, podem ficar em casa a cuidar de suas famílias. Yury recusou-se a fazê-lo. Por motivos de segurança, não enviou nenhum depoimento. Alguns atiradores ucranianos que usaram os telemóveis foram detetados e assassinados pelos russos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Rússia anuncia conquista de Mariupol no sul da Ucrânia

Volodymyr Zelenskyy pede ajuda a Portugal

Ucrânia lança ataque com drones contra infraestruturas energéticas da Rússia