EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

G7 nunca reconhecerá fronteiras alteradas pela Rússia

Ministros dos Negócios Estrangeiros dos países do G7, na Alemanha
Ministros dos Negócios Estrangeiros dos países do G7, na Alemanha Direitos de autor frame
Direitos de autor frame
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Os ministros dos Negócios Estrangeiros do G7, reunidos na Alemanha, prometem mais apoio militar à Ucrânia e mais isolamento à Rússia

PUBLICIDADE

Os países do G7 nunca reconhecerão as fronteiras alteradas à força pela Rússia

É uma posição saída da reunião dos ministros dos Negócios Estrangeiros do grupo que se comprometeram a ampliar o isolamento da Rússia, continuar a ajudar militarmente a Ucrânia e responder à guerra dos cereais.

A ministra alemã dos Negócios Estrangeiros, Annalena Baerbock disse: "Não devemos ser ingénuos. Esta guerra dos cereais não é um dano colateral. É um instrumento deliberadamente escolhido numa guerra híbrida que está a ser travada neste momento. A Rússia está a preparar o terreno para novas crises, a fim de enfraquecer deliberadamente a coesão internacional contra a guerra da Rússia".

Os ministros também criticaram a posição da Bielorrússia na guerra, pedindo que Minsk cumpra as suas obrigações internacionais e apelaram à China para que não ajude a Rússia, nem justifique as ações de Moscovo.

Nunca declaração conjunta, os ministros disseram: "Nunca reconheceremos fronteiras que a Rússia tenha tentado mudar pela agressão militar, e manteremos o nosso compromisso no apoio à soberania e integridade territorial da Ucrânia, incluindo a Crimeia, e de todos os Estados", acrescentando: "Reafirmamos a nossa determinação em aumentar ainda mais a pressão económica e política sobre a Rússia, continuando a agir em unidade".

A adesão da Suécia e da Finlândia à NATO esteve também na agenda da reunião

A chefe da diplomacia do Canadá, Melanie Joly, disse: "Acreditamos que a Suécia e a Finlândia devem aderir à NATO e estou ansiosa por falar com Jens Stoltenberg um pouco mais tarde. Desejamos que não haja apenas uma adesão da Suécia e da Finlândia, mas uma adesão rápida, o que é fundamental nas circunstâncias".

Já a Rússia deixa ameaças veladas. Num comunicado, Putin diz que "não há ameaça à segurança da Finlândia e o país abandonar o seu estatuto de neutralidade de longa data seria um erro".

A juntar a isto, Sergei Lavrov disse este sábado: "O ocidente, em coletivo, declarou-nos guerra total híbrida e é difícil prever quanto tempo tudo isto durará, mas é claro que as consequências serão sentidas por todos, sem exceção. Fizemos tudo para evitar um confronto direto, mas agora que o desafio foi lançado, é claro que o aceitamos. Não somos estranhos às sanções: elas estiveram quase sempre presentes de uma forma ou de outra".

A Rússia desligou o seu fornecimento de energia à Finlândia este sábado de manhã. Oficialmente por contas não pagas.

Helsínquia diz que apenas 10% da sua eletricidade vem da Rússia e prometeu aumentar a produção de energia verde e procurar volumes em falta noutros locais.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

G7 reúne-se na Alemanha para discutir ajuda financeira à Ucrânia

Tribunal russo condena soldado americano a quase quatro anos de prisão por roubo

Kim e Putin encontram-se em Pyongyang para expandir a cooperação económica e militar