Número de desempregados em Espanha baixa dos 3 milhões pela primeira vez desde 2008

Centro de Emprego em Espanha
Centro de Emprego em Espanha Direitos de autor AFP
De  Francisco Marques
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Governo espanhol revela com satisfação a evolução do mercado de trabalho e mostra-se confiante com contratações previstas para a época balnear

PUBLICIDADE

O número de desempregados em Espanha está abaixo dos três milhões de pessoas pela primeira vez desde 2008, ano em que terá começado a crise financeira global.

O registo histórico, anunciado esta quinta-feira pelo Ministério da Segurança Social, foi alcançado após uma redução no mês de maio de 100 mil espanhóis que terão encontrado emprego.

Por outro lado, o total de inscritos na Segurança Social em Espanha cresceu em 214 mil trabalhadores e pelo segundo mês consecutivo ficou acima dos 20 milhões.

A tendência positiva do mercado de trabalho espanhol parece imune às feridas provocadas pela Covid-19 ao longo dos dois últimos anos e pelo recente agravamento dos preços devido à guerra na Ucrânia, que contribuiu para elevar a inflação espanhola em maio quase até aos 9%.

Após as contratações da Semana Santa e às portas do verão, o setor espanhol dos serviços foi o que mais contratou em maio (1,2 milhões), seguido de longe pela agricultura (200 mil) e pela indústria (169 mil).

A expetativa em Espanha é que os números ainda venham a melhorar nos próximos meses com o acelerar das contratações para responder às tradicionais exigências turísticas do verão.

O ministro da Segurança Social, José Luis Escricvá, explica a imunidade do mercado laboral à crise pandémica e às ondas de choque da guerra na Ucrânia com o entendimento pelos empresários destes episódios como "temporais e transitórios".

"Depois de uma pandemia e das consequências económicas de uma guerra, o mercado laboral ter este comportamento mostra de forma clara que a economia segue em crescimento, robusta e que, entre todos, estamos a conseguir suportar o tecido produtivo em Espanha", acrescentou a ministra espanhola das Finanças.

Outras fontes • El País

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Só em janeiro, Canárias receberam mais migrantes do que na primeira metade de 2023

Vinícius Júnior, jogador do Real Madrid, não conseguiu conter as lágrimas ao falar de racismo

Tribunal suspende bloqueio do Telegram em Espanha