This content is not available in your region

Ataque russo mata três pessoas na cidade ucraniana de Chuhuiv

Access to the comments Comentários
De  Euronews
euronews_icons_loading
Cratera provocada por um míssil na Ucrânia
Cratera provocada por um míssil na Ucrânia   -   Direitos de autor  Nariman El-Mofty/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved.

Pelo menos três civis foram mortos e mais três ficaram feridos num ataque russo em Chuhuiv, no norte da Ucrânia,

A cidade fica a 120 quilómetros da fronteira russa e os foguetes, que atingiram duas escolas, um edifício residencial e um administrativo, terão sido disparados de território russo.

Raiysa Kuval, uma idosa residente na cidade diz: "Isto não vai parar até que todos os ucranianos estejam mortos. Porquê nós? Porquê eu? Só porque nasci na Ucrânia? Há pessoas que estão num num hospital psiquiátrico devido a esta explosão. É insuportável".

Enquanto se procuram sobreviventes deste ataque, foram identificados todos os corpos das vítimas do ataque russo a Vinnytsia. Para além das 23 vítimas mortais, há 68 pessoas hospitalizadas, 14 em estado grave.

Segundo as autoridades ucranianas, os ataques russos das últimas horas fizeram mais 16 mortos.

Com a Rússia a intensificar a ofensiva, o presidente ucraniano vai tentando manter a moral das tropas e das populações.

Volodymyr Zelenskyy diz : "A Ucrânia resistiu a ataques brutais da Rússia. Já conseguimos libertar parte do território ocupado após 24 de fevereiro. Iremos também libertar gradualmente outras partes do nosso país que estão atualmente sob a ocupação".

Já conseguimos libertar parte do território ocupado após 24 de fevereiro. Iremos também libertar gradualmente outras partes do nosso país que estão atualmente sob a ocupação"
Volodymymr Zelenskyy
Presidente da Ucrânia

A Rússia não comenta os ataques a alvos civis. O porta-voz do ministério da Defesa fala sempre de ataques de alta precisão a alvos militares dizendo que foram destruídos recentemente 21 postos de comando, cinco depósitos de munição, e 189 áreas de concentração de mão de obra e equipamentos militares ucranianos.

Segundo o jornal Kyiv Independent, as forças russas estão a preparar-se para uma nova ofensiva. O jornal cita um representante da direção dos serviços secretos do Ministério da Defesa da Ucrânia, que afirma que a atividade russa sinaliza que "sem dúvida, os preparativos para a próxima fase de ações ofensivas em curso".

A agência de energia atómica da Ucrânia acusou a Rússia de utilizar a maior central nuclear da Europa para armazenar armas e bombardear as regiões circundantes de Nikopol e Dnipro que foram atingidas no sábado.