This content is not available in your region

Rússia quer anexar mais território na Ucrânia, revela Lavrov

Access to the comments Comentários
De  Euronews  com AFP
euronews_icons_loading
Sergey Lavrov, ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia
Sergey Lavrov, ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia   -   Direitos de autor  Evgenia Novozhenina/AP

A Rússia planeia anexar a Ucrânia além da região do Donbass. Depois dos receios manifestados pelos Estados Unidos da América (EUA), a confirmação chegou, esta quarta-feira, de Moscovo. Sergey Lavrov, chefe da diplomacia russa, afirmou durante uma entrevista que a "ofensiva militar" iniciada em fevereiro tem objetivos para lá do leste do país, com "Kherson, Zaporíjia e uma série de outros territórios" na mira do Kremlin.

O ministro dos Negócios Estrangeiros russo alega que revisão de planos se deve ao fornecimento de armas por parte do Ocidente à Ucrânia, nomeadamente o envio de sistemas de mísseis "Himars", fabricados pelos EUA.

"Não podemos permitir que a parte da Ucrânia que Zelenskyy vai controlar, ou quem quer que o substitua, tenha armas que constituirão uma ameaça direta ao nosso território e ao território das repúblicas que declararam a sua independência", afirmou Lavrov.

EUA reforçam apoio a Kiev

O anúncio de Lavrov surge após a Casa Branca ter anunciado o envio de mais apoio bélicoa Kiev.

Numa conferência de imprensa, esta terça-feira, John Kirby, porta-voz do Conselho Nacional de Segurança dos EUA, defendeu que "uma anexação pela força seria uma violação grosseira da Carta das Nações Unidas e não permitiremos que ela não seja contestada ou punida". 

De acordo com Kirby, os EUA vão "continuar a fornecer à Ucrânia níveis históricos de assistência em matéria de segurança". 

No final da semana, "a administração vai anunciar o próximo pacote presidencial de armas e equipamento para a Ucrânia. Será o 16º levantamento de fundos para apoiar a Ucrânia desde que o presidente tomou posse", acrescentou.

Ucrânia aperta controlo às armas

A cedência de armamento à Ucrânia tem sido alvo de alguma preocupação entre a NATO e países da União Europeia. Mas a possibilidade de armas estarem a cair no mercado negro foi já descartada por Kiev

No seu vídeo diário, o presidente Volodymyr Zelenskyy optou por responder diretamente aos rumores e anunciou mais controlo ao fluxo de armas no país.

"Os nossos parceiros são plenamente informados sobre a forma como utilizamos as armas que foram fornecidas. Mas a fim de remover quaisquer manipulações dos propagandistas russos e daqueles que os ajudam na Ucrânia ou em qualquer outro lugar, vai entrar em funcionamento um instrumento de controlo parlamentar adicional", disse.

Bombardeamento de Kharkiv mata civis

Há quase cinco meses em guerra, a Ucrânia continua a lidar diariamente com a perda, Ainda esta quarta-feira, três civis morreram na sequência de um bombardeamento russo a Kharkiv. Entre as vítimas, revela o governador local, estava um rapaz de 13 anos.