EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Zelenskyy diz que russos e colaboradores podem fugir ou ser capturados e julgados

Soldado ucraniano junto ao cadáver de um compatriota na região de Kharkiv
Soldado ucraniano junto ao cadáver de um compatriota na região de Kharkiv Direitos de autor AP Photo/Leo Correa
Direitos de autor AP Photo/Leo Correa
De  Rodrigo Barbosa com AFP / EFE
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Contraofensiva continua na Ucrânia. Kiev denuncia queda de míssil perto de central como "terrorismo nuclear"

PUBLICIDADE

Fugir ou ser capturado e julgado: são as opções que oferece o presidente ucraniano aos soldados russos e colaboradores, à medida que prossegue a contraofensiva.

O Exército ucraniano realizou novos ataques na região de Donetsk e reconquistou uma aldeia perto de Lysychansk, o que significa que a Rússia já não controla totalmente a região de Luhansk.

Avisámos os militares de que os russos só têm duas opções: escapar ou ser capturados.
Volodymyr Zelenskyy
presidente da Ucrânia

O presidente da Ucrânia diz que as respetivas forças estão "a estabilizar a situação e a manter posições, de forma firme, o que provoca o pânico entre os invasores".

"Avisámos os militares russos de que só têm duas opções: escapar ou ser capturados. E os colaboradores também podem tentar escapar,  se a Rússia os deixa entrar no território, mesmo tendo-lhes dado passaportes, ou ser julgados de acordo com a legislação da Ucrânia", afirmou Volodymyr Zelenskyy.

Regiões separatistas querem referendar adesão à Rússia

Face ao avanço da contraofensiva, nas regiões separatistas as chamadas câmaras públicas - que são orgãos consultivos - pediram às lideranças pró-russas para avançarem com referendos de adesão à Rússia.

Lina Vokalova, vice-presidente da Câmara Pública de Luhansk, afirmava que "s residentes do Donbass já escolheram em 2014, no referendo de autodeterminação" e têm "esperado, todos estes anos, que haja finalmente um segundo referendo que realize o sonho de regressar à Rússia".

Ucrânia denuncia "terrorismo nuclear"

Entretanto, o diretor da Agência Internacional de Energia Atómica pediu que parem imediatamente todas as ações militares contra instalações nucleares, depois de Kiev ter anunciado a queda de um míssil russo a 300 metros de uma central na província de Mykolaiv, no sul da Ucrânia.

Uma ação que Kiev classificou de "terrorismo nuclear".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Zelenskyy diz que contraofensiva vai continuar

Estrela da música russa critica invasão russa da Ucrânia

Zelenskyy pede fim das restrições à utilização de armamento norte-americano contra a Rússia