This content is not available in your region

Forças russas estarão a reforçar posições em regiões ocupadas

Access to the comments Comentários
De  Oleksandra Vakulina
Sasha Vakulina, Euronews
Sasha Vakulina, Euronews   -   Direitos de autor  Euronews

As forças russas estão, segundo os relatos, a começar a reforçar as suas posições nas regiões ocupadas de Lugansk, Donetsk e no leste de Zaporíjia com soldados de Kherson e militares mobilizados, de acordo com o Instituto para o Estudo da Guerra.

O ministério britânico da Defesa acrescenta que as forças russas estão a construir posições defensivas parcialmente ocupadas por reservistas mal treinados, na zona de Svatove, na região de Lugansk, no nordeste da Ucrânia.

Um oficial militar ucraniano afirmou que as forças ucranianas libertaram 12 povoações na região de Lugansk desde o início da contraofensiva aqui.

De acordo com a última atualização do ministério britânico da Defesa, "com a linha da frente da Rússia no sudoeste agora mais defensável ao longo da margem leste do rio Dnipro, a área de Svatove é agora provavelmente um flanco operacional mais vulnerável da força russa".

Os líderes russos provavelmente verão a manutenção do controle de Svatove como uma prioridade política, embora os seus comandantes estejam provavelmente a ter dificuldades com as realidades militares para manterem uma defesa credível, ao mesmo tempo que tentam encontrar recursos para operações ofensivas mais a sul, em Donetsk.

O conselheiro do presidente da Câmara de Mariupol observou a chegada de pessoal e equipamento militar à cidade. Segundo ele, as forças russas estão a colocar entre 10 mil a 15 mil militares na área de Mariupol.

Andryushenko afirmou que os recém-mobilizados estão a posicionar-se presumivelmente na linha da frente ocidental de Donetsk Oblast via Mariupol.

O Instituto para o Estudo da Guerra diz que as autoridades russas estão a preparar novas mobilizações secretas, numa altura em que ainda decorre o ciclo de recrutamento de outono.

O Kremlin disse que não há planos para convocar mais soldados russos para lutar na Ucrânia através de uma segunda mobilização.