Refugiados na Ucrânia anseiam pelo regresso a casa

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Material usado pelos refugiados para fazer redes de camuflagem para o exército ucraniano
Material usado pelos refugiados para fazer redes de camuflagem para o exército ucraniano   -   Direitos de autor  Euronews

Desde o início da guerra, quase cinco milhões de pessoas deslocadas internamente foram registadas pelas autoridades ucranianas. Muitos deles chegaram a Transcarpátia porque lá estão longe dos combates, mas não têm de abandonar a sua terra natal.

Visitámos um centro de refugiados na pequena aldeia de Perekhrestia.

Aqui, está a ser tecida uma rede de camuflagem para o exército ucraniano. Os que procuraram refúgio nesta pequena aldeia querem contribuir para o esforço conjunto enquanto esperam poder regressar a casa.

Os cortes de energia são frequentes e, apesar de longe da guerra, a vida não é fácil.

Edit Zsábej, pertence à Cáritas e presta ajuda aos refugiados:

"Da última vez que aqui estivemos, vi pessoas a cozinhar lá fora porque não havia eletricidade, tal como agora. O gerador não é suficiente para as coisas da cozinha, e por isso pensámos em ajudá-los para que possam cozinhar em panelas maiores, para que todos possam ser alimentados", diz.

Os quartos são partilhados por várias famílias. Marina veio de Kharkiv em abril. O filho de oito anos teve dificuldade em aceitar que tinha perdido a sua casa e os seus brinquedos. Marina pensa que crianças como o seu filho nunca irão perdoar a Rússia.

"As crianças podiam dizer pelo som se era dos nossos ou dos russos a disparar. Se era um foguete, algum outro tipo de projétil, ou se era um avião a chegar", conta, lembrando o início da guerra.

Svetlana vive noutro quarto com os seus dois filhos. Um deles tinha acabado de receber o seu presente de Natal, um leitor de e-books para a ajudar nos seus estudos. Ela não imagina que possam regressar a casa tão cedo.

"O bom aqui é que não se ouvem as vozes horríveis e não se é bombardeado. As crianças podem andar pelas ruas em paz, elas estão em segurança", afirma.

Os refugiados são ajudados por profissionais de saúde mental a processar o trauma que sofreram e a aceitar esta nova situação de vida.

O repórter da Euronews, Ádám Magyar, esteve em Perekhrestia e conta: "Este edifício costumava ser uma escola para crianças com necessidades especiais e tem estado vazio há alguns anos e os refugiados da Ucrânia Oriental podem encontrar abrigo em locais como este.

Ainda não se sabe quanto tempo vão ficar, mas conhecemos um que disse querer voltar para Kharkiv na primavera".