EventsEventosPodcast
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Greve no Reino Unido gera "perturbações significativas" durante o dia

Governo de Rishi Sunak tem sido alvo de várias manifestações de trabalhadores no Reino Unido
Governo de Rishi Sunak tem sido alvo de várias manifestações de trabalhadores no Reino Unido Direitos de autor Kin Cheung/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Kin Cheung/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Trabalhadores da função pública, dos transportes e da educação exigem aumentos salariais.

PUBLICIDADE

Meio milhão de trabalhadores do Reino Unido entram em greve, esta quarta-feira. Após as conversações sobre aumentos salariais terem falhado com o governo britânico, Donwning Street avisa que o dia será de "perturbações significativas". A paralisação atinge sobretudo os setores da função pública, transportes, e educação.

De acordo com o Sindicato Nacional de Professores (NEU), 85% das escolas vão ficar de portas fechadas. A maioria dos comboios não vai estar a circular. As manifestações dos profissionais de saúde são também esperadas, mas só na próxima semana.

Cerca de 600 militares vão ser destacados para mitigar os efeitos das greves, sobretudo nas tarefas fronteiriças

Fonte superior do governo diz que o primeiro-ministro deixou claro que um regresso às negociações está dependente do cancelamento das ações de protesto.

Além das condições laborais, os sindicatos contestam também os planos do governo para a própria lei da greve. O executivo de Sunak propõe que fiquem estipulados novos serviços mínimos durante as paralisações. Mas, de acordo com os representantes dos trabalhadores, a proposta vai mais além e contempla, por exemplo, o despedimento de quem vote legalmente na greve.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Milhares na rua contra aumento da idade da reforma em França

Onda de greves agrava-se no Reino Unido no arranque de mais um ano pós Brexit

Saúde em crise no Reino Unido