EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Ucrânia investiga mais de 300 casos de tortura em Kherson

Parede rabiscada numa alegada câmara de tortura subterrânea em Kherson
Parede rabiscada numa alegada câmara de tortura subterrânea em Kherson Direitos de autor Evgeniy Maloletka/Copyright 2020 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Evgeniy Maloletka/Copyright 2020 The AP. All rights reserved
De  euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Forças russas instalaram uma rede de câmaras de tortura em Kherson durante os oito meses que durou a invasão

PUBLICIDADE

A retirada russa da cidade de Kherson deixou para trás uma cidade desfigurada. 

Tratou-se da única capital provincial ocupada desde o início do conflito.

Durante oito meses os habitantes de Kherson viveram com os invasores, que agora se sabe terem instalado toda uma rede de câmaras de tortura nas entranhas da cidade. 

As autoridades ucranianas estão a investigar centenas de casos de tortura.

"Temos mais de 300 casos de pessoas que foram detidas e torturadas aqui, a investigação ainda está em andamento e o número cresce a cada dia", afirma Andriy Kovanniy, chefe de relações públicas da Guarda Nacional da Ucrânia.

Nas câmaras de tortura subterrâneas existem provas das práticas levadas a cabo pelo exército russo.

"Há informações suficientes que provam que as pessoas foram mantidas presas aqui, usaram eletricidade, máscaras de gás e bloquearam o ar, tiraram comida e privaram os detidos de sono , as pessoas foram espancadas com gravidade", conclui o chefe de relações públicas da Guarda Nacional da Ucrânia.

Pertences pessoais, restos de comida, alguns documentos são tudo o que resta. 

Os pisos destes porões são as únicas testemunhas do que aconteceu lá dentro. 

O hino russo rabiscado na parede sustenta uma reclamação recorrente: os detidos eram obrigados a decorá-lo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Delegação da UE vai a Kiev para a cimeira UE-Ucrânia

ONU contabiliza mais de 7100 civis mortos na Ucrânia

Motorista de táxi morto pelas forças russas em Kherson, 12 feridos em Mykolaiv