EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Delegação da UE vai a Kiev para a cimeira UE-Ucrânia

Cimeira União Europeia - Ucrânia em Kiev
Cimeira União Europeia - Ucrânia em Kiev Direitos de autor Efrem Lukatsky/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor Efrem Lukatsky/Copyright 2023 The AP. All rights reserved.
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Decorre em Kiev a cimeira UE-Ucrânia, adesão do país ao bloco forte europeu estará em cima da mesa.

PUBLICIDADE

Num gesto de solidariedade e apoio, sem precedentes, a delegação da UE vai a Kiev para a cimeira UE-Ucrânia

Entre as muitas questões na agenda está a adesão da Ucrânia ao bloco forte europeu. Bruxelas está pronta a encorajar Kiev a prosseguir as reformas necessárias, já Kiev quer mais clareza e detalhe sobre quando isso poderá acontecer, dado que a tem vindo a implementar reformas enquanto se defende da Rússia, há já quase um ano. A enviada da euronews à Ucrânia, Sasha Vakulina, explicava que este encontro se resume a saber "como ambos os lados gerem as expectativas"

Na primeira reunião de líderes, desde que foi concedido à Ucrânia o estatuto de candidato, a discussão centra-se na adesão do país à EU. Olha Stefanishyna, a ministra para a Integração Europeia e Euro-Atlântica da Ucrânia, explicava que é tudo muito complicado. Para além dos objetivos do país há a "vontade política". É preciso encontrar terreno comum e o que a Ucrânia pode fazer é estar "preparada" para aproveitar esta "janela de oportunidade".

O primeiro-ministro ucraniano estabeleceu um calendário de dois anos para garantir a adesão à UE. Mas isso não depende apenas da Ucrânia.

Alexander Rodnyansky, conselheiro presidencial, referia que compreendem que no seio da UE haja formas diferentes de ver esta adesão e que é impossível dizer se ela acontecerá em dois anos ou se levará mais, como tem acontecido. "Quando olhamos para a história da UE vemos queo processo de negociação pode durar anos", afirmava Rodnyansky.

Ainda assim, Kiev espera que não sejam precisas décadas para cumprir este desejo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Há um ano a UE aceitou formalmente a candidatura da Ucrânia

Ucrânia investiga mais de 300 casos de tortura em Kherson

Pelo menos 11 mortes em ataques russos a cidades da Ucrânia