Meloni pede mais ação sobre migrantes

Cimeira europeia
Cimeira europeia Direitos de autor Olivier Matthys/AP
De  Giorgia Orlandi
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Política de migrações vai estar em destaque no Conselho Europeu desta quinta-feira

PUBLICIDADE

A política de migração é um dos temas em destaques na cimeira que reúne os líderes da União Europeia em Bruxelas.

Dentro do bloco, há vários países que defendem medidas mais restritivas para travar a entrada dos migrantes. A Itália é um deles. No final de janeiro, durante a visita do presidente do Conselho da União Europeia a Roma, a primeira-ministra Giorgia Meloni pediu a unidade dos estados-membros e disse que o seu país “não consegue lidar com o problema sozinho”.

Na antecipação da cimeira desta quinta-feira, numa primeira ronda de reuniões bilaterais, Meloni defendeu a defesa das fronteiras externas dos 27.

Em declarações à Euronews, Sara Kelany, deputada do partido “Irmãos de Itália”, sublinhou que em matéria de migração, “a Europa está a avançar na mesma direção do governo de Meloni". Para Kelany, graças a este governo a questão das migrações torna-se “um problema de todos” na Europa.

Uma das principais propostas de Itália é promover um código de conduta na União Europeia para navios de salvamento no Mediterrâneo. O governo italiano também quer encorajar os estados-membros a investir mais dinheiro em África. Mas a questão mais polémica continua a ser a introdução de deslocalizações obrigatórias.

Depois dos primeiros 100 dias no cargo, a linha de Meloni na Europa não mudou. A proteção dos interesses nacionais continua a ser a prioridade do seu programa político. No entanto, muito do seu sucesso dependerá da forma como o presidente do Conselho Europeu lidar com a questão da migração, dado que muitos dos apoiantes de Meloni defenderam a sua linha dura nesta matéria.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

O que se passa com as políticas invulgares do governo italiano?

Pescador egípcio detido na Grécia recebe uma pena "menor" de 280 anos

Grécia impede entrada de 260.000 migrantes