Dia Internacional da Mulher: "A nossa luta é todos os dias"

Participante na V Greve Feminista Internacional em Lisboa, Portugal
Participante na V Greve Feminista Internacional em Lisboa, Portugal Direitos de autor CARLOS M. ALMEIDA/ 2023 LUSA
Direitos de autor CARLOS M. ALMEIDA/ 2023 LUSA
De  Francisco Marques
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Milhares e milhares de pessoas gritaram em diversas cidades de todo o mundo pela paridade de direitos e oportunidades em mais um 8 de março

PUBLICIDADE

Milhares e milhares de pessoas celebraram esta quarta-feira em várias por todo o mundo o Dia Internacional das Mulheres.

Em Lisboa, largas centenas de pessoas participaram ao início da noite numa marcha no âmbito da V Greve Feminista Internacional, convocada pela Rede 8 de Março.

Debaixo de chuva, os milhares de pessoas que se juntaram no final da marcha junto à Fonte Luminosa não arredaram pé e vincaram a sua presença com cartazes, palavras de ordem e tambores.

À Lusa, Patrícia Vassalo e Silva, do Coletivo Por Todas Nós, disse que o Dia Internacional da Mulher não serve apenas para celebrar que são “mulheres, rosas e muito bonitas”.

“É um dia para mostrarmos que queremos direitos iguais [aos homens], desde a saúde, salários e habitação”, realçou.

A celebração estendeu-se ainda a 12 outras cidades portuguesas, com gritos de ordem como "a nossa luta é todos os dias".

Em França e também na Grécia, as mulheres fizeram-se ouvir. Em Atenas, no entanto, a celebração das acabou por juntar-se a um protesto antigoverno por causa da tragédia ferroviária da semana passada.

A mensagem pela paridade de direitos e oportunidades fez-se também ouvir em países dos Balcãs como o Kosovo ou a Bósnia, onde se protestou contra a violência doméstica dirigida às mulheres e a passividade da justiça na apreciação destes casos.

Em países mais a oriente e com ainda maior ascendente islâmico como a Turquia ou a Síria também se celebrou o Dia da Mulher, mas aqui as manifestações acabaram por lembrar as vítimas dos terramotos de há um mês, catástrofes que deixaram as mulheres destes dois países ainda mais fragilizadas.

Outras fontes • Agências

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Cinco factos que precisa de saber sobre o Dia Internacional da Mulher

O Mundo assinalou o Dia Internacionald da Mulher

UE sanciona autores de crimes contras as mulheres pela primeira vez