Pode o "travão de Stormont" fazer descarrilar o Protocolo da Irlanda do Norte?

Líder do DUP, Sir Jeffrey Donaldson
Líder do DUP, Sir Jeffrey Donaldson Direitos de autor Peter Morrison/Copyright 2022 The AP. All rights reserved.
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Poderá o "travão de Stormont" fazer descarrilar o Protocolo da Irlanda do Norte?

PUBLICIDADE

Poderá o "Stormont Brake" fazer descarrilar o Protocolo da Irlanda do Norte?

O Partido Democrático Unionista da Irlanda do Norte (DUP) vai votar contra o plano do governo britânico para os acordos comerciais pós-Brexit na Irlanda do Norte.

O seu líder, Sir Jeffrey Donaldson, anunciou na segunda-feira que, na sequência de uma reunião do partido, o DUP votará pela rejeição do chamado "Stormont Brake" no "quadro de Windsor" acordado entre o Reino Unido e a UE.

Uma revisão do controverso Protocolo da Irlanda do Norte, o "quadro de Windsor" visa abordar algumas das preocupações levantadas pelos sindicalistas britânicos em Stormont (o Parlamento da Irlanda do Norte) sobre as fronteiras comerciais e o que este poderá significar para o futuro da Irlanda do Norte no Reino Unido.

O "Stormont Brake" não trata de alguns dos problemas fundamentais no centro das nossas actuais dificuldades", disse Donaldson.

O Partido Trabalhista, oposição no Reino Unido, já disse que planeia votar com o governo - tudo menos garantir que a moção seja aprovada, independentemente da desaprovação do DUP.

Mas o que é o "Stormont Brake", o que é que o DUP espera conseguir com a sua rejeição e o que é que isto significará para o futuro da partilha do poder na Irlanda do Norte?

O que é o "quadro de Windsor" e porque foi introduzido?

Desde o referendo de 2016 sobre a adesão do Reino Unido à União Europeia, a Irlanda do Norte - que partilha a única fronteira terrestre do Reino Unido com a UE - tem ocupado uma complexa área cinzenta regulamentar entre a legislação do Reino Unido e da UE. O protocolo da Irlanda do Norte e o subsequente "quadro de Windsor" esperavam abordá-lo.

O Protocolo da Irlanda do Norte, acordado pelo antigo Primeiro-Ministro Boris Johnson, entrou em vigor em 2021, como uma tentativa de evitar fronteiras comerciais duras na ilha da Irlanda. Transferiu os controlos regulamentares e aduaneiros para o Mar da Irlanda.

Mas causou desacordos entre Londres e Bruxelas e enfureceu os sindicalistas da Irlanda do Norte que se opunham à ideia de uma fronteira eficaz no Mar da Irlanda. Jeffrey Donaldson referiu-se ao Protocolo em 2021 como "a maior ameaça de sempre à integridade económica do Reino Unido".

Nos termos do Protocolo, Belfast ainda estava sujeita a certas leis da UE, sem que os representantes da Irlanda do Norte tivessem qualquer palavra a dizer sobre a forma como elas são feitas ou implementadas.

A 27 de Fevereiro, Rishi Sunak e a Presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, apresentaram o "quadro de Windsor", saudado como o início de "um novo capítulo" nas relações Westminster-Bruxelas.

Von der Leyen disse que o acordo "respeita e protege os nossos respectivos mercados e os nossos respectivos interesses legítimos". E, mais importante ainda, protege os ganhos de paz muito duramente conquistados do Acordo de Belfast/ Sexta-feira Santa para o povo da Irlanda do Norte e de toda a ilha da Irlanda".

O que é o mecanismo Stormont Brake?

Com o mecanismo "Stormont Brake" no "quadro de Windsor", a Assembleia Stormont poderia rejeitar formalmente novas leis da UE para mercadorias.

Westminster diz que dá um "veto inequívoco" às novas regras da UE aplicáveis ao comércio na Irlanda do Norte, caso 30 membros da Assembleia da Irlanda do Norte de pelo menos dois partidos levantem objeções.

"O Stormont Brake é um mecanismo concebido para tentar dar aos membros da Assembleia da Irlanda do Norte algum tipo de poder de opinião sobre os novos regulamentos da UE", explicou Jamie Pow, professor de Ciência Política na Queen's University Belfast.

Com 25 lugares no Parlamento, o DUP necessita do apoio de apenas mais cinco políticos para accionar o travão. Existem actualmente mais 12 legisladores unionistas pró-britânicos em Stormont.

PUBLICIDADE

A implementação da regra seria então automaticamente suspensa enquanto o Reino Unido e Bruxelas a discutissem.

Caso a UE conteste o acionar do travão, o assunto será remetido para um painel de arbitragem independente, em vez do Tribunal de Justiça Europeu.

Porque é que o DUP é contra o "Stormont Brake"?

Na sua declaração, Jeffrey Donaldson disse: "Continua a ser verdade que o "travão" não foi concebido para, e portanto não pode ser aplicado, às leis da UE já está em vigor e para a quais não foi dado consentimento para a sua aplicação."

"Embora represente um progresso real, o "travão" não trata da questão fundamental que é a imposição da lei da UE pelo protocolo", acrescentou Donaldson.

PUBLICIDADE

"Do ponto de vista do DUP, parece preocupante que ainda caiba realmente ao Governo do Reino Unido decidir se deve ou não prosseguir com o travão", disse o professor Jamie Pow à Euronews.

"Por outras palavras, o Stormont Brake iria tocar os sinais de alarme de 30 MLAs (Membros da Assembleia Legislativa) na Assembleia da Irlanda do Norte, mas continuaria a caber ao Governo do Reino Unido decidir se o deve levar a cabo ou não", acrescentou.

Novos relatórios sobre os detalhes do mecanismo revelam que, mesmo que os sindicalistas aplicassem o "travão", o Reino Unido e Bruxelas poderiam decidir que a lei não merece um veto do governo do Reino Unido.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Acordo no Protocolo da Irlanda do Norte aproxima UE e Reino Unido

Reino Unido e UE mais próximos de acordo sobre a Irlanda do Norte

Girafa de espécie rara sai à rua pela primeira vez no Zoo de Chester