Israel sobre barril de pólvora, Netanyahu apela à calma

Netahyahu apela ao fim da violência
Netahyahu apela ao fim da violência Direitos de autor Oded Balilty/The AP
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Centenas de milhares protestam contra demissão do ministro da Defesa, para o fim da tarde está prevista manifestação a favor do governo

PUBLICIDADE

Benjamin Netanyahu apelou ao fim da violência na sua primeira intervenção pública após os protestos que se seguiram à demissão do ministro da Defesa. O primeiro-ministro israelita apelou à responsabilidade dos manifestantes, da esquerda à direita, através de uma publicação no Twitter e num momento em que o país se encontra sobre um barril de pólvora.

A gota de água que fez transbordar o copo e levou milhares de manifestantes para as ruas foi a demissão de Yoav Gallant por se ter manifestado contra a reforma do sistema judicial proposta pelo executivo. Esta segunda-feira o país parou na sequência de uma greve geral e teme-se violência nas ruas, sobretudo depois de ter sido convocada uma manifestação a favor do governo para o fim da tarde.

A polémica reforma do sistema judicial deixaria o Supremo Tribunal do País nas mãos do governo e o próprio Presidente israelita, Isaac Herzog, aconselhou o executivo a voltar atrás na decisão para o bem do país.

Para a oposição trata-se de uma violação inaceitável da separação dos poderes que coloca em causa a democracia no país.

Face aos protestos que duram há várias semanas, e que escalaram nas últimas horas, com a greve que paralisou os aeroportos e deixou o país isolado, Benjamin Netanyahu hesita, mas os seus parceiros de governo já avisaram que qualquer recuo levará ao fim da coligação e à queda do executivo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Segundo maior hospital de Gaza não está operacional. Israel quer reféns libertados até ao Ramadão

Agrava-se conflito no sul do Líbano

Israel diz ter descoberto túneis do Hamas debaixo da sede da UNRWA