Sobreviver na linha da frente à espera da contraofensiva

Soldados da linha da frente sul da Ucrânia tomam refeições em abrigos subterrâneos
Soldados da linha da frente sul da Ucrânia tomam refeições em abrigos subterrâneos Direitos de autor Euronews
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Na frente sul da guerra na Ucrânia, os que sobrevivem aos ataques constantes depositam todas as esperanças na anunciada contraofensiva, que tarda em chegar.

PUBLICIDADE

A contraofensiva ucraniana será lançada no "momento certo", diz o primeiro-ministro da Ucrânia, Denys Shmyha, mostrando otimismo.

A sobreviverem em condições muito difíceis, as populações na linha da frente anseiam por esse momento.  

A sete quilómetros de Orikhiv, na frente sul da guerra, vive-se em caves. Cá fora, perante o sol da primavera, só destruição e caos.

Svitlana Romashko, assistente social, voluntária na cozinha da cave, afirma: "É muito triste e faz-me chorar. Vejo-o todos os dias; vou para o trabalho de manhã, havia uma casa, volto do trabalho à noite - já não há casa. É muito triste e podemos chorar todos os dias, mas talvez não o façamos. Os inimigos não me vão ver a chorar".

Todos os dias a guerra cobra destruição e vidas humanas. Arman Soldin, o jornalista de vídeo da agência francesa, France Presse, que filmou estes testemunhos, foi morto esta terça-feira por disparos de foguetes Grad perto de Chasiv Yar, no leste da Ucrânia. 

À medida que a guerra avança, a comida está a tornar-se cada vez mais importante em todo o país. Em tempos de incerteza, a alimentação torna-se uma prioridade

Em Kiev, os voluntários estão a ser criativos para alimentar os soldados que lutam na frente. Os  voluntários criam barras energéticas para as tropas, com nozes e frutos secos e estão também a adaptar a tradicional sopa borscht, com beterrabas e couve, usando os legumes secos que podem ser hidratados e comidos em qualquer momento.

Svitlana Kozina, coordenadora do grupo de voluntários "Kucharska sotna stolicy" diz: "Na frente, o mais importante são as munições e a comida. É com isto que disparam e é isto que consomem para se fortalecerem. A comida nesta forma é muito cómoda porque é compacta. Pode guardar-se uma embalagem destas num saco, ou mesmo num bolso do casaco, e usá-la. Podem pô-la dentro do colete à prova de bala".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Zelenskyy promete "surpresa desagradável" para a Rússia

Ucrânia insiste no início das negociações de adesão à UE

Ucrânia volta a acusar Rússia de usar bombas de fósforo branco