EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Rota mais perigosa do Mediterrâneo atrai cada vez mais pessoas

Migrantes privilegiam cada vez mais a rota mais perigosa do Mediterrâneo
Migrantes privilegiam cada vez mais a rota mais perigosa do Mediterrâneo Direitos de autor Francisco Seco/Copyright 2022 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Francisco Seco/Copyright 2022 The AP. All rights reserved
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Medidas repressivas dos países do sul da Europa levam os migrantes a tentar a sua sorte precisamente na rota migratória mais mortífera do planeta

PUBLICIDADE

Desde o início do ano, mais de 1300 pessoas perderam a vida ou desapareceram a tentar chegar à Europa. Os números são cruéis e representam apenas os casos conhecidos, o número real é maior e irá continuar a crescer.

Apesar dos riscos, mais de 75 mil pessoas conseguiram completar a travessia. Itália, Espanha e Grécia são os três países mais afectados e, cada um à sua maneira, têm-se preocupado mais em impedir novas chegadas do que em salvar quem está suficientemente desesperado para se fazer ao mar.

euronews
Chegadas de migrantes à Europaeuronews

Itália adotou uma nova lei sobre a migração que limita o acesso ao estatuto de proteção especial e condiciona a ação dos navios de resgate no Mediterrâneo.

Espanha assinou um acordo histórico com Marrocos, que levou Pedro Sánchez a definir o país africano como "um aliado essencial para a nossa segurança e para uma migração ordenada”. Ma prática, transferiu o problema para Rabat e o episódio de junho de 2022 em Melilla, que provocou 23 mortes, é um triste exemplo.

Grécia reforçou consideravelmente as patrulhas marítimas, acusadas em várias ocasiões de não respeitar a lei internacional.

Malta, que apesar do menor volume de chegadas está no coração do Mediterrâneo, é acusada pela Amnistia Internacional de ignorar pedidos de resgate e proceder a detenções arbitrárias.

Crescem os apelos para a criação de rotas legais de migração, nomeadamente da ONU, mas Bruxelas tem optado por um rumo diferente, até porque conciliar as vontades dos 27 Estados-membros no que diz respeito à migração parece ser uma missão impossível.

A nova lei sobre a migração é um passo em frente mas não esconde o facto de que é cada vez mais difícil entrar em território europeu. O Mediterrâneo não é a única fronteira. Também por terra é cada vez mais difícil entrar e se em 2014 havia pouco mais de 300 quilómetros de muros ou vedações de arame farpado nas fronteiras europeias, hoje são mais de 2 mil.

As restrições impostas baixaram a utilização de praticamente todas as rotas, a excepção foi a rota do Mediterrâneo Central, precisamente a mais perigosa, que se tornou a privilegiada pelos migrantes.

euronews
Chegadas à Europa por rota migratóriaeuronews

Mais de metade das chegadas ao território europeu nos primeiros cinco meses do ano teve origem precisamente nessa rota. Mais de mil pessoas perderam a vida, juntando-se a uma longa lista, ou não fosse esta a rota migratória mais mortífera do planeta.

No coração desta rota está o porto tunisino de Sfax, onde as autoridades locais garantem que impediram 13 mil pessoas de fazer a travessia só nos primeiros três meses do ano.

O problema foi agravado pelo discurso do Presidente Kais Saied contra os migrantes subsaarianos, acusando-os de ameaçar a identidade demográfica do país e de serem responsáveis pela violência e criminalidade.

Como resultado, verificaram-se uma série de ataques racistas na Tunísia e aumentou também o fluxo migratório no país.

A solução da União Europeia passa pela promessa de dinheiro, mais de mil milhões de euros de assistência financeira a um país a atravessar uma grave crise económica, mas Saied tinha avisado à partida que não aceitaria que o seu país se tornasse no guarda fronteiriço de outros países.

A solução política para o problema da migração tarda em chegar. Para as mais de 27 mil pessoas que morreram ou desapareceram no Mediterrâneo desde 2014, chegará tarde demais.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Co-presidente dos Conservadores e Reformistas Europeus não descarta apoio ao PPE após eleições

Debate Europeias: eleitores que votam pela primeira vez colocaram questões aos candidatos

"A próxima Comissão será de centro-direita", diz copresidente do CRE