EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Guerra na Ucrânia: um teste para a tecnologia militar

Um soldado ucraniano repara um tanque Leopard 2 na região de Zaporizhzhya, Ucrânia, junho de 2023.
Um soldado ucraniano repara um tanque Leopard 2 na região de Zaporizhzhya, Ucrânia, junho de 2023. Direitos de autor AP Photo/Andriy Andriyenko, File
Direitos de autor AP Photo/Andriy Andriyenko, File
De  Andrey PoznyakovFrances Lopez
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em russo

A guerra na Ucrânia está a obrigar os especialistas a repensar as ideias sobre a guerra e está a tornar-se um sério teste aos armamentos.

PUBLICIDADE

Apoiar a Ucrânia na luta contra a agressão russa tornou-se uma questão de princípio para dezenas de países que estão a fornecer ajuda humanitária e militar a Kiev. Entre as armas fornecidas às forças armadas ucranianas, havia tanto equipamento usado há muito tempo como peças relativamente novas. Para todos eles, a guerra em grande escala na Europa tornou-se uma espécie de teste à eficácia nas condições das operações de combate modernas. Segundo o Instituto Kiel para a Economia Mundial, que estuda os problemas da globalização, desde o início da invasão russa em grande escala, os parceiros internacionais prometeram à Ucrânia mais de 80 mil milhões de euros de ajuda militar. 

Qual é a eficácia das armas fornecidas em condições reais de combate?

Fracassos notórios

De acordo com o perito militar César Pintado, os tanques Leopard e os veículos de combate de infantaria Bradley, por exemplo, não foram bem aceites desde o início. Ao mesmo tempo, foram reveladas as deficiências de alguns modelos mais antigos, como os tanques com rodas, que indicam que já não vale a pena utilizá-los na guerra moderna.

Os analistas, no entanto, tendem a atribuir este facto a erros na utilização destes veículos e à falta de formação. 

Matthew Schmidt, da Universidade de New Haven, chama a atenção para a diferença de abordagens à guerra no Ocidente e no Oriente. Segundo ele, é importante considerar que a interoperabilidade estabelecida com outros ramos das forças armadas serve como uma espécie de multiplicador para aumentar a eficácia dos mesmos batalhões de tanques nos EUA, e esse treino leva tempo e prática:

"Se os tanques franceses fossem operados por tropas bem treinadas da NATO, haveria menos perdas desses tanques na Ucrânia. Não porque as tropas da NATO sejam tecnicamente mais hábeis a interagir com os tanques, mas porque sabem como operá-los em combinação com outros sistemas, como a artilharia ou a infantaria. Têm melhores capacidades_de comunicação_.

Schmidt acredita que, ao longo do tempo, as AFU (sigla inglesa para Forças Armadas da Ucrânia) tem conseguido melhorar significativamente o manuseamento do equipamento ocidental. Mas é preciso mais do que isso para ter sucesso na guerra.

Uma guerra do presente e do futuro

Uma das características deste conflito é frequentemente referida como a utilização em larga escala de drones. 

César Pintado considera que foi na Ucrânia que os drones se tornaram um elemento básico da guerra. É uma "revolução":

"A natureza da guerra está a mudar diante dos nossos olhos, por vezes silenciosamente, por vezes espontaneamente, mas sem dúvida que estão a ser lançadas as bases para uma revolução, para uma forma completamente diferente de lutar. É como a introdução da aviação na Primeira Guerra Mundial".

Matthew Schmidt, por seu lado, não está inclinado a exaltar tanto a importância dos drones. Na sua opinião, os drones de ataque, pelo contrário, mostraram a sua ineficácia.

"A comunicação e a guerra eletrónica desempenharam um papel muito mais importante", afirma o professor de assuntos internacionais, segurança nacional e ciência política da Universidade de New Haven. Cita como exemplo um programa de recolha de relatos de testemunhas oculares dos movimentos militares russos: "A AFU utilizou serviços já existentes para enviar queixas sobre problemas no sector da habitação e dos serviços públicos, para que os ucranianos pudessem partilhar informações com o exército. Uma vez cruzados e confirmados, estes dados melhoram significativamente a consciencialização e a coordenação das tropas na zona de combate", salienta Schmidt.

Também fala da importância das escutas telefónicas e da supressão dos sistemas de comunicação - especialmente nos primeiros meses da invasão russa, o que permitiu a interceção de informações confidenciais e impediu as unidades russas de partilharem informações. Segundo Schmidt, o desenvolvimento destas áreas é fundamental para o sucesso da Ucrânia num futuro confronto com a Rússia, uma vez que as partes procuram reforçar as suas capacidades militares:

"Vêem estas inovações agora? Penso que será ainda melhor. Agora tem de ser feito rapidamente. É preciso improvisar. Mas num futuro conflito estabilizado, veremos muitas inovações a longo prazo. E, do lado russo, os militares levarão uma década ou mais para reconstruir o que perderam nesta guerra. E a principal coisa que os russos vão aprender com esta guerra é que os seus sistemas não são muito bons".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Afinal que armamento pesado está a ser enviado para a Ucrânia? Quem o envia?

Pelo menos seis feridos após ataque aéreo russo em zona residencial de Kharkiv

Ataque aéreo a Kharkiv faz pelo menos sete mortos. Zelenskyy condena brutalidade russa