EventsEventosPodcast
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Maurícias em vez de Maiorca? Como as ondas de calor estão a mudar as férias de verão

Praia de Alcudia em Maiorca (foto de arquivo)
Praia de Alcudia em Maiorca (foto de arquivo) Direitos de autor Christof Stache /AP
Direitos de autor Christof Stache /AP
De  Thomas GahdeIlaria Federico, dpa
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em alemão

Será que as clássicas férias de verão no Mediterrâneo ainda têm futuro? Esta é uma pergunta que não é feita apenas pelos viajantes alemães que procuram relaxar nas regiões do sul da Europa com temperaturas de cerca de 40 graus Celsius. Os especialistas dão as respostas.

PUBLICIDADE

O sector do turismo, que contribui significativamente para o produto interno bruto da Europa, poderá ficar exposto a encargos consideráveis devido às alterações climáticas.

Esta hipótese é mais do que um mero receio, uma vez que é apoiada por um estudo da Comissão Europeia com factos e números.

Esta situação poderá afetar fortemente o continente em perspetiva, especialmente porque as recentes vagas de calor com temperaturas próximas ou mesmo superiores a 40 graus Celsius na região mediterrânica causaram uma grande incerteza quanto aos números das reservas.

A Espanha, a Itália e a Grécia são alguns dos países da UE cujas economias estão particularmente orientadas para o sector do turismo.

O estudo da Comissão Europeia foi realizado por David Garcia León, analista da Comissão Europeia para os Impactos Climáticos e a Política de Adaptação. O estudo concluiu que a procura turística na Europa apresenta um padrão claro de mudança entre o Norte e o Sul, com as regiões setentrionais a beneficiarem das alterações climáticas e as regiões meridionais a enfrentarem um declínio significativo da procura turística.

"Não há declínio, mas sim mudança"

Jean-Pierre Mas, presidente da associação francesa de agências de viagens "Entreprises de Voyage", discorda: "Não haverá um declínio dramático. Em vez disso, haverá uma mudança gradual. Como se processará essa mudança? Em dois movimentos ou em duas fases, se me permitem a expressão. Por um lado, os franceses, que sofreram muito com o calor deste verão, tentarão encontrar destinos um pouco menos quentes, ou seja, menos para o sul e um pouco mais para o norte, seja no norte de França, mas também no norte da Europa, ou seja, destinos onde não faz tanto calor em julho e agosto."

As Maurícias são, por exemplo, atualmente o nono destino de verão mais importante para os franceses, apesar de lá ser inverno em julho e agosto. Portanto, há mudanças de comportamento que estão a ocorrer lentamente. Mas isto não significa que o turismo vá entrar em colapso em países como a Grécia, Espanha e Itália. A época não se limitará a julho e agosto. Vai prolongar-se pela primavera e pelo outono. O que é que isso significa? As pessoas vão viajar para a Andaluzia na primavera, para as ilhas gregas na primavera ou no outono e um pouco menos no verão".

A Europa é a região mais visitada do mundo, de acordo com os cálculos da Organização Mundial do Turismo (OMT). Em 2020, a Europa gerou 41% de todas as receitas do turismo mundial e registou 51% de todas as chegadas internacionais, o que equivale a 582 milhões de turistas.

Quando Lauterbach faz um tweet sobre as suas férias em Itália...

Um tweet do ministro alemão da Saúde, Karl Lauterbach, que estava a relatar as férias na Toscânia, causou irritação em Itália. Lauterbach escreveu:

"A onda de calor é espetacular aqui. Se continuar assim, estes destinos de férias não terão futuro a longo prazo. As alterações climáticas estão a destruir o Sul da Europa. Uma era está a chegar ao fim".

No seu tweet, Lauterbach referiu-se a um mapa meteorológico europeu produzido pela Iniciativa Climática Helmholtz.

Gregorio Borgia/AP
Urlaubende suchen in Rom händeringend Abkühlung am Eingang zum Kolosseum am 18. Juli 2023Gregorio Borgia/AP

Itália acalma preocupações alemãs

A reação da Ministra do Turismo italiana, Daniela Santanchè, foi imediata: "Gostaria de agradecer ao Ministro da Saúde alemão por ter escolhido a Itália como destino, que sempre foi o destino de férias preferido dos seus compatriotas. Estamos certos de que os alemães continuarão a apreciar as férias em Itália", afirmou, acrescentando que a Itália está consciente das alterações climáticas, que afectam não só o sul da Europa, mas todo o planeta.

Associação italiana de turismo: "É difícil encontrar outro sítio".

Ainda mais confiante e otimista foi o presidente da Federação Italiana de Viagens e Turismo (Fiavet), Giuseppe Ciminnisi: "É certo que o turismo mudou em nome de uma maior sustentabilidade, mas como empresas de turismo organizadas garantimos ao ministro Karl Lauterbach que se ele quiser viajar mais para sul, por exemplo para a Sicília, Puglia, Calábria, será difícil encontrar um lugar, mesmo com este clima quente".

O lema de Itália: não se assustem

As alterações climáticas não impedirão as pessoas de irem para o mar, para a montanha ou para o lago, de conhecerem cidades que são património mundial, de descobrirem novos lugares e de provarem alimentos que não existem noutros locais", continua Ciminnisi. Desde Ulisses, as viagens no Mediterrâneo são um fator indispensável para o enriquecimento humano".

Andrew Medichini/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
Touristen warten in der Mittagshitze auf dem Petersplatz, um einen Blick auf Papst Franziskus zu erhaschenAndrew Medichini/Copyright 2023 The AP. All rights reserved

Não há uma mudança abrupta do Sul para o Norte

No entanto, o interesse de muitos turistas pela Europa está a mudar, muito lentamente mas de forma notória, disse o presidente da Associação Francesa de Agências de Viagens, Jean-Pierre Mas, numa entrevista à Euronews:

"Este verão, os destinos de eleição (dos franceses) são, em primeiro lugar, a Grécia, em segundo, a Espanha e, em terceiro, a Tunísia, ou seja, os três países mais quentes, e as Antilhas. Sim, houve um aumento do número de visitantes na Escandinávia, por exemplo, e houve um aumento do número de visitantes nos Hauts de France, a parte norte de França, ou na Alsácia, para o turismo francófono. Mas não se pode dizer que tenha havido um movimento de regresso do Sul para o Norte. Este movimento será gradual e não de uma só vez, não haverá um processo abrupto. Mas os profissionais do turismo de países como a Espanha, a Grécia e a Tunísia têm de estar preparados para que, no futuro, o número de visitantes seja inferior em julho ou agosto e certamente superior em junho e setembro."

"verão relativamente bom para Espanha, Grécia e Itália"

Mas há outra razão muito simples para que o sector do turismo do Sul da Europa não caia no pessimismo. Trata-se dos hábitos dos veraneantes, que muitas vezes reservam as suas viagens com meses de antecedência.

Olivier Ponti, da consultora Forward Keys, explicou-o numa entrevista à Euronews: "Penso que a situação é animadora para destinos como Espanha, Grécia e Itália, que, apesar de tudo, deverão ter um verão relativamente bom. Porquê? Porque as reservas para a época de verão foram feitas na primeira metade do ano, pelo que os acontecimentos actuais irão afetar sobretudo as reservas de última hora, que constituem uma minoria das reservas. Por isso, penso que as agências de viagens e os operadores turísticos destas zonas devem poder fazer bons negócios no verão. Nos locais mais afectados, estou a pensar em locais como Rodes ou a Sicília, a situação será obviamente mais difícil, porque há de facto grandes ondas de cancelamentos, simplesmente porque não é possível ter umas férias de verão agradáveis nas actuais circunstâncias".

PUBLICIDADE

A perspetiva de um verão mais agradável é bastante modesta: "De um modo geral, é preciso estar preparado para um calor ainda mais intenso e uma tendência para a secura", afirma o especialista em clima Hans-Martin Füssel, da Agência Europeia do Ambiente (AEA), em Copenhaga.

Além disso, muitas das cidades populares do sul estão a aquecer de forma particularmente rápida, pelo que os seus habitantes estão a fugir para a costa ou a fazer uma sesta. No verão, as condições climatéricas na Europa também se prolongam cada vez mais, disse Füssel: "Uma vaga de calor não acaba ao fim de um, dois ou três dias, mas dura muito mais tempo." Além disso, há mais precipitação.

Os destinos de férias preferidos dos alemães

O Serviço Federal de Estatística em Wiesbaden confirmou em 17 de julho de 2023: Os destinos preferidos dos alemães para viajar para o estrangeiro em 2022 foram a Itália (14%), a Áustria (14%), a Espanha (11%), a França (7%) e os Países Baixos (7%).

Estes cinco países mantiveram-se como os principais destinos estrangeiros para os viajantes da Alemanha, tanto antes como durante e após a pandemia.

Não se registaram cancelamentos em massa devido às ondas de calor em algumas regiões de Espanha e de Itália, afirmou Olivier Ponti, especialista em viagens, em entrevista à Euronews: "Em todos os locais onde as temperaturas são elevadas, não vemos ondas de cancelamentos, mas vemos um número significativamente menor de novas reservas. E há uma mudança para destinos que permitem aos visitantes desfrutar das suas férias sem terem de passar a maior parte do tempo em quartos com ar condicionado. É importante lembrar que ainda estamos num período de recuperação após a crise da COVID. Destinos como o Sul da Europa, Itália, Espanha e Grécia estão a beneficiar muito do ressurgimento da procura de viagens. No caso da Grécia, já são esperados mais visitantes do que antes da pandemia. E no caso da Itália e da Espanha, estes países quase regressaram aos níveis anteriores à pandemia. Assim, o panorama geral tem sido muito positivo para estes destinos. E a maioria dos visitantes também está a manter as suas reservas. Por isso, penso que a época de verão será boa, independentemente das ondas de calor, dos incêndios florestais e das chuvas. Os fenómenos climáticos catastróficos que estamos a viver atualmente afectarão sobretudo as reservas de última hora, mas não a maior parte das reservas. Por isso, penso que deverá ser uma boa época".

PUBLICIDADE

Fator económico importante: turistas estrangeiros

De acordo com a European Travel Commission, uma organização não governamental que promove a Europa como destino turístico a nível mundial, o mercado europeu de viagens também está basicamente em alta. Em termos de chegadas de viajantes à Europa, este ano já atingiu 95 por cento dos níveis de 2019, afirmou.

A elevada procura dos consumidores está a aguentar-se, apesar da inflação persistente e do aumento dos custos das viagens. Isto também se deve aos turistas dos EUA, que estão a beneficiar da taxa de câmbio favorável. De acordo com a European Travel Commission, Portugal (+79%), Turquia (+78%) e Montenegro (+43%) estão a registar aumentos particularmente elevados de turistas provenientes dos EUA.

Armando Franca/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
Der Strand von Oeiras nahe Lissabon am 19. Juli 2023Armando Franca/Copyright 2023 The AP. All rights reserved

Em geral, a tendência é para países que oferecem uma boa relação qualidade/preço. As avaliações efectuadas pela European Travel Commission até maio de 2023, inclusive, mostraram que quatro países em particular beneficiam desta reputação: a Sérvia (com um crescimento de 27% no ano em curso), a Bulgária (+21%), o Montenegro (+12%) e a Turquia (+9%).

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Volodymyr Zelenskyy em guerra contra corrupção

Sustentabilidade e custos discutidos na cimeira do turismo europeu

Porto de Trieste vai resistindo ao impacto dos ataques dos Houthis no Mar Vermelho