EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Ocidente receia que Níger se possa virar para a Rússia

Manifestação na capital do Níger
Manifestação na capital do Níger Direitos de autor -/AFP or licensors
Direitos de autor -/AFP or licensors
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O Ocidente está muito preocupado com o golpe militar que ocorreu na semana passada no Níger, temendo que o país possa mudar de aliado.

PUBLICIDADE

O golpe militar no Níger provocou receios de que o país, um importante aliado do Ocidente na luta contra grupos jihadistas na África Ocidental, possa virar-se para a Rússia.

A deposição do presidente eleito democraticamente, Mohammed Bazoum, foi amplamente condenada pela União Europeia, Estados Unidos e África.

O International Crisis Group diz que, embora o Níger seja primordial para os esforços de segurança ocidentais na região, é muito cedo para dizer se pode recorrer à Rússia ou ao Grupo Wagner.

"Sabemos que o grupo Wagner está interessado em desenvolver a sua capacidade na África Ocidental. Prevemos também que dentro do novo regime militar, caso se mantenham no poder, procurem outros aliados e podem ser tentados a estabelecer relações com a Rússia. É possível que haja uma mudança de aliança e que a Rússia possa desenvolver a sua capacidade através do grupo Wagner na região. Mas agora é uma espécie de bandeira vermelha que é muito conveniente usar para estar numa posição mais forte quando se negoceia", afirma Jean-Herve Jezequel, diretor do Projeto Sahel no grupo de reflexão International Crisis Group.

Também há preocupações sobre o impacto potencial do golpe na importação de urânio para manter em atividade as centrais nucleares europeias.

Como 7º maior produtor mundial de urânio, o Níger abastece a UE com quase 25% das suas reservas e a França com cerca de 10%.

Mas Jezequel diz que o impacto não é crítico: "A França costumava ser muito mais dependente do urânio nigerino no passado do que é hoje. Tem havido uma diversificação do acesso ao urânio no mundo, incluindo o Canadá e o Cazaquistão. Portanto, é um mercado diferente do que era há 20 ou 30 anos. Portanto, ainda é um interesse importante, mas não é central, vital para a França como costumava ser". 

E ainda não é definitivo que os miitares vão permanecer no poder, realça o diretor do Projeto Sahel: "Ainda existe a possibilidade de o presidente Bazoum voltar. Será extremamente difícil, não é o cenário mais provável, mas ainda é o cenário em que muitos atores estão a trabalhar. Muitos atores da comunidade internacional, inclusive a Rússia, estão a pressionar para o regresso do presidente eleito. Mas se essa pressão externa não estiver ligada com uma pressão interna... receio que não dê certo".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Forças russas destacadas para base aérea ocupada por norte-americanos no Níger

Macron diz que França vai retirar tropas e embaixador franceses do Níger

Protesto contra presença militar francesa no Niger