EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Austrália, Filipinas e EUA em manobras militares nas águas "turbulentas" do Mar do Sul da China

Manobras militares conjuntas da Austrália e Filipinas no Mar do Sul da China
Manobras militares conjuntas da Austrália e Filipinas no Mar do Sul da China Direitos de autor AFP
Direitos de autor AFP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A pressão nunca baixa no Mar do Sul da China. Agora são os exércitos australiano, filipino e norte-americano que realizam exercícios militares conjuntos.

PUBLICIDADE

As águas do Mar da China são bastante disputadas. Embora a justiça internacional tenha decidido contra, a China reivindica soberania, assim como as Filipinas. Um dos exercícios das manobras realizadas foi recuperar uma ilha ao inimigo. 

O presidente das Filipinas e o ministro da Defesa da Austrália, Richard Marles, assistiram aos desembarques simulados na ilha, assaltos e inserção de helicópteros de forças numa base da marinha filipina com 1.200 australianos, 560 filipinos e 120 fuzileiros navais dos Estados Unidos da América.

Os três países estão entre os principais críticos das ações cada vez mais agressivas e de confronto da China nas águas disputadas.

Numa conferência de imprensa conjunta, Ferdinand Marcos Jr. disse: "É um aspeto importante a forma como nos preparamos para qualquer eventualidade, considerando que houve tantos eventos que atestam a volatilidade da região".

Por seu lado, Richard Marles afirmou: "A mensagem que queremos transmitir à região e ao mundo, a partir de um exercício deste tipo, é que somos dois países comprometidos com a ordem global baseada em regras".

Os dois países reafirmam o apoio à decisão de 2016 de um tribunal arbitral em Haia sob a Convenção da ONU, que invalidou em grande parte a reivindicação de Pequim para praticamente todo o Mar do Sul da China e manteve o controlo das Filipinas sobre os recursos na sua zona económica exclusiva de 200 milhas náuticas.

A China recusou-se a participar da arbitragem e continua a desafiar a decisão.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Filipinas protestam contra Pequim depois do novo ataque no Mar do Sul da China

Rússia envia submarino nuclear para Cuba para reavivar diplomacia naval

Defesa: Mare Aperto 2024, o maior exercício naval no Mediterrâneo Central