EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Trump, a figura incómoda mas necessária para os republicanos e os media americanos

Antigo Presidente Donald Trump.
Antigo Presidente Donald Trump. Direitos de autor AP
Direitos de autor AP
De  Blanca Castro
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em espanhol

Embora a sombra de Trump continue a pairar sobre os candidatos republicanos e a ensombrar os seus programas eleitorais, há um entendimento generalizado de que a figura do antigo presidente continua a ser fundamental para vencer as primárias do partido.

PUBLICIDADE

Em 2016, houve um furacão mediático que alterou o panorama político dos EUA. Sete anos depois, em 2023, Donald Trump está de novo no centro das atenções dos media a nível mundial, devido aos seus processos criminais - e civis - em curso e à sua controversa intenção de regressar e concorrer às eleições presidenciais de 2024.

O antigo presidente continua a ser um íman para os meios de comunicação social e um ponto focal da conversa política no seio do Partido Republicano.

Numa entrevista à distância com Scott Lucas, Professor de Política Americana na Universidade de Birmingham, este relembra a memorável declaração de Trump durante a campanha eleitoral de 2016.

Eu poderia disparar contra alguém na Quinta Avenida, em Nova Iorque, e as pessoas continuariam a votar em mim.
Donald Trump
Ex-presidente dos Estados Unidos

Lucas salienta que há, de facto, alguns americanos que apoiariam o antigo presidente, independentemente das circunstâncias.

A insistência de Trump na sua inocência e as suas denúncias, alegando ser vítima de uma caça às bruxas por parte dos meios de comunicação social, foram repetidas pelos seus apoiantes. Em vez de o abandonarem, os seus apoiantes empenharam-se ainda mais na sua causa.

Mas Greg Swenson, presidente da organização "Republicans Overseas UK", adverte que, embora os trumpistas continuem alinhados com o projeto MAGA_(Make America Great Again_), a possibilidade de uma condenação criminal ou de simples acusações corroeu a sua posição num espetro republicano mais amplo.

"No processo das primárias, isso está claramente a ajudá-lo, mas os julgamentos e as acusações estão provavelmente a prejudicá-lo mais do que a ajudá-lo nas eleições gerais. Também está a desviar a atenção dos outros candidatos", salienta Swenson.

"No debate de quarta-feira à noite no Wisconsin, seis dos oito candidatos republicanos disseram: 'Mesmo que ele seja condenado, eu apoio que ele seja presidente'. E isso porque o cálculo político para quase todos os candidatos é que se disserem que Trump não deveria estar no cargo, perdem qualquer hipótese de obter votos trumpistas. E esse tem sido o fenómeno no Partido Republicano desde que Trump se tornou presidente em 2016", diz o professor, que destaca o papel dos media na perpetuação do domínio de Trump na narrativa política.

Trump e o seu persistente domínio mediático

Lucas argumenta que a constante atenção dos media a Trump "cria um ciclo de feedback".

"O que acontece é que os media dão toda a atenção a Trump. Se os meios de comunicação social nivelassem o campo de jogo em termos de cobertura dos candidatos e das questões, em vez de tratarem isto como um circo com Donald Trump como o mestre de cerimónias, então poderíamos ter um verdadeiro processo democrático em vez de um processo em que os meios de comunicação social permitem efetivamente a tentativa de Trump de se autodenominar como o candidato republicano", observa Lucas.

75% dos eleitores americanos não querem uma repetição de Trump vs. Biden.
Greg Swenson
Presidente da organização 'Republicans Overseas UK'

Nem Trump nem Biden para 2024

Apesar da influência contínua de Trump nas primárias republicanas, há um sentimento crescente na nação de que é altura de olhar para o futuro.

A sombra de Trump, embora mais longa, não impediu que um grande número de cidadãos norte-americanos anseie por uma mudança dramática de rumo. Swenson observa que três quartos dos eleitores americanos querem evitar uma repetição da disputa Trump-Biden. Este número inclui tanto republicanos como democratas, o que sugere uma procura generalizada de novos rostos e perspetivas na política.

62% dos americanos têm uma opinião desfavorável sobre Trump; 52% dizem o mesmo sobre Biden.
Inquérito da agência de notícias AP e do Centro para a Investigação de Assuntos Públicos da Universidade de Chicago.
Realizada em agosto de 2023

Swenson especula que, mesmo dentro do Partido Republicano, se o Presidente Biden não se candidatar, muitos poderão sentir que é altura de seguir em frente. A perspetiva de concorrer contra um democrata mais jovem e mais fresco poderia influenciar a dinâmica republicana. Isto reflete uma mudança no estado de espírito nacional no sentido de procurar novas alternativas políticas e um desejo de se afastar da polarização que caracterizou a era Trump.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Presidente e condenado? As questões do "caso Trump" face aos cenários possíveis

Donald Trump começa a ser julgado um dia antes da "super terça-feira" presidencial

Donald Trump até vende canecas com a foto da detenção desta semana