EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

"Aqueles que arriscam a vida no mar não invadem, procuram acolhimento", alerta o Papa Francisco

Presidente francês, Emmanuel Macron, e o Papa Francisco, em Marselha, 23 de setembro de 2023
Presidente francês, Emmanuel Macron, e o Papa Francisco, em Marselha, 23 de setembro de 2023 Direitos de autor Andrea Solaro/AP
Direitos de autor Andrea Solaro/AP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Sumo Pontífice da Igreja Católica pede aos líderes europeus que encarem a migração como um fenómeno duradouro e encontrem souções de acolhimento.

PUBLICIDADE

O Papa Francisco desafiou o presidente francês Emmanuel Macron e outros líderes europeus a abrir os portos às pessoas que fogem de dificuldades e pobreza, insistindo que o continente não enfrenta uma "emergência" migratória mas sim uma realidade a longo prazo com a qual os governos devem lidar humanamente.

"Aqueles que arriscam a vida no mar não invadem, procuram acolhimento. O fenómeno migratório não é tanto uma emergência momentânea, sempre boa para desencadear propaganda alarmista, mas um facto dos nossos tempos", afirmou.

O fenómeno migratório não é tanto uma emergência momentânea, sempre boa para desencadear propaganda alarmista, mas um facto dos nossos tempos
Papa Francisco
Sumo Pontífice da Igreja Católica

No segundo dia na cidade francesa de Marselha, o Papa reuniu-se com voluntários da ONG SOS Mediterranée, que salva vidas no mar, tendo recebido um colete salva-vidas infantil. Um gesto para destacar a perigosa travessia que os migrantes enfrentam ao tentar chegar à Europa.

O governo centrista de Macron adotou uma linha mais dura sobre questões de migração e segurança depois de ter sido criticado pelos conservadores franceses e pela extrema direita.

Com as eleições Europeias marcadas para o próximo ano, Macron tem vindo a pressionar para que a UE fortaleça as suas fronteiras externas e seja mais eficiente na deportação de indivíduos a quem é negada a entrada.

A viagem de dois dias de Francisco foi programada há meses, mas decorre num momento de grande fluxo migratório para a Europa. 

Quase133 mil migrantes desembarcaram na pequena ilha italiana de Lampedusa desde o início do ano.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Macron desloca-se à Nova Caledónia para tentar pôr termo à violência no arquipélago

Autoridades tentam recuperar o controlo da autoestrada de acesso ao aeroporto da Nova Caledónia

Senado francês aprova projeto de lei para tornar o aborto um direito constitucional