Votação do executivo de Tusk interrompida por ato antissemita

O recém-nomeado primeiro-ministro polaco, Donald Tusk
O recém-nomeado primeiro-ministro polaco, Donald Tusk Direitos de autor WOJTEK RADWANSKI/AFP or licensors
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

No dia em que Donald Tusk apresentou o seu executivo no parlamento polaco, Grzegorz Braun, um deputado de extrema-direita, usou um extintor de incêndio para apagar as velas de uma menorá que estava acesa para o feriado judaico do Hanukkah.

PUBLICIDADE

Foi um dia atribulado no parlamento polaco. Minutos antes de o recém-nomeado primeiro-ministro Donald Tusk apresentar o seu executivo, um parlamentar pró-Rússia, Grzegorz Braun, membro do partido de extrema-direita Confederação, usou um extintor de incêndio para apagar as velas de uma menorá que estava acesa para o feriado judaico do Hanukkah.

Os trabalhos parlamentares foram temporariamente suspensos. Após o incidente, as velas foram acesas novamente.

O presidente do parlamento de Varsóvia, Szymon Holownia, classificou o ato antissemita como "absolutamente escandaloso", garantindo que ia denunciá-lo às autoridades, e excluiu o deputado dos trabalhos parlamentares do dia.

Donald Tusk também descreveu o incidente como "vergonhoso" enquanto esperava que o parlamento aprovasse um voto de confiança ao seu governo europeísta, mas a votação acabou por ser adiada face ao caos desencadeado.

O incidente foi condenado por todos os partidos, exceto pela Confederação.

Recentemente, Braun já tinha alegado que há uma conspiração para transformar a Polónia num "Estado judeu."

Tusk foi eleito na segunda-feira e fez seu discurso inaugural no parlamento esta terça-feira, prometendo exigir ao Ocidente que mantenha o apoio à Ucrânia.

O novo governo será empossado pelo Presidente Andrzej Duda na quarta-feira.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Donald Tusk promete trazer a Polónia "de volta" à UE

Milhares de agricultores polacos protestam no centro de Varsóvia

Polónia prolonga direito de residência a refugiados ucranianos