"Eu sei que estou limpa": Simona Halep, estrela mundial do ténis, fala sobre escândalo de doping

"Eu sei que estou limpa": Simona Halep, estrela mundial do ténis, fala sobre escândalo de doping
Direitos de autor euronews
De  Tokunbo Salako
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Euronews conversou com a ex-número 1 do mundo do ténis, Simona Halep, que aguarda as conclusões do Tribunal Arbitral do Desporto sobre o escândalo de doping que, admite, pode significar o fim da sua ilustre carreira.

PUBLICIDADE

Simona Halep chegou ao topo no ténis mundial, tendo conquistado dois títulos do Grand Slam. Mas agora, enfrenta a maior batalha da sua vida depois de ter sido considerada culpada por consumir drogas para melhorar o desempenho.

Neste episódio de Interview, a estrela romena do ténis fala de saúde mental, de batalhas legais, de amizades levadas ao limite e do seu sonho de ser autorizada a competir nos Jogos Olímpicos de Paris 2024.

Veja a entrevista no leitor de vídeo acima, ou leia a entrevista completa abaixo.

Tokunbo Salako, Euronews: Tem sido um ano difícil para si. Um ano fora do jogo. Descreva-me, se puder, qual é o seu estado de espírito neste momento?

Simona Halep: Bem, na verdade, já passou mais de um ano e todos os dias, sinto-me muito magoada, muito emotiva, muita dor, porque sei que não fiz nada de errado e sei que estou "limpa". Por isso, foi um choque quando recebi a carta a dizer que o meu teste de urina, e apenas o teste de urina, deu positivo com uma quantidade extremamente baixa de substância proibida. Sempre fui contra a dopagem e também tenho falado muito sobre isso. Por isso, nem sequer me passou pela cabeça fazer uma coisa destas. Foi um choque. Tive dificuldades em lidar com a parte emocional, porque tem sido muito pesado para mim e ver isto tão publicamente estava a afetar a minha saúde mental, sem dúvida. 

Tokunbo Salako, Euronews: A Simone tem recebido um enorme apoio online, o que não é de estranhar, porque é uma das estrelas do desporto mais populares do mundo, mas também muitos difamadores. Como reagiu a isso?

Simona Halep: O apoio tem sido fantástico. Os fãs apoiam-me incondicionalmente, o que significa muito. É muito importante ver que as pessoas... Mesmo que eu esteja a enfrentar o pior momento da minha vida como atleta, eu sei que estou "limpa". Recebi imensas mensagens boas e o mais importante é que nunca enfrentei uma pessoa que me dissesse algo negativo. Portanto, todas elas foram positivas e isso deu-me força para continuar a lutar todos os dias para limpar o meu nome e mostrar que não fiz nada de errado. 

Os jogadores, que são adversários, também mostraram o seu apoio e eu agradeço muito, porque significa muito. Estamos a lutar no campo de ténis e, quando estamos na pior situação, eles estão lá e apoiam-nos. E também as lendas. Tive um apoio tão grande das lendas do ténis - também falaram publicamente de mim, e isso significa muito. Apoiaram-me totalmente e isso é ótimo, é enorme. Tudo me ajuda a manter-me forte nestes tempos difíceis e a lutar para limpar o meu nome.

Tokunbo Salako, Euronews: A Agência Internacional para a Integridade do Ténis também disse que três painéis diferentes de especialistas confirmaram que tomou intencionalmente a droga para melhorar o desempenho. Qual vai ser a sua defesa?

Simona Halep: Sim, eles disseram isso. Mas é muito claro que se tratou de uma contaminação. Três dias antes do teste de urina positivo, o meu sangue e a minha urina eram negativos. E foi-me dito, desde o início, que se tratava de uma quantidade muito, muito baixa de uma substância proibida e que nesses três dias, não me podia ter dopado. Não era a minha intenção e nunca foi a intenção de fazer algo de errado ou desrespeitar este desporto, porque respeitei tudo e dediquei a minha vida. Os meus princípios não são assim, por isso não pensei em fazer batota no ténis. 

As duas coisas que... A contaminação, acho que é muito forte para mim. E a segunda, o sangue - fiz muitas, muitas análises e todas deram negativo. Por isso, nunca encontraram nada de errado no meu sangue. Com estas duas coisas, sinto-me confiante para enfrentar o tribunal. 

Tokunbo Salako, Euronews: Mas confia no processo?

Simona Halep: Sim, acho que é demasiado tempo de espera para um atleta profissional. Aceitei que não podia fazer nada contra isto e agora, estou ansiosa por fevereiro, quando finalmente terei a decisão final. 

Tokunbo Salako, Euronews: Algumas das críticas que lhe foram dirigidas, e algumas delas também foram dirigidas à sua equipa, a Patrick Mouratoglou, talvez o treinador de ténis mais conhecido do mundo. Ele admitiu a responsabilidade no mês passado e disse: "Sim, a nossa equipa errou. A Simone tinha este colagénio contaminado". Como é que é a vossa relação agora?

Simona Halep: É verdade que ele disse isso. Gostava que o tivesse feito um pouco mais cedo. Já deixei de trabalhar com a academia há algum tempo. Estou apenas, sabe... Quando me encontrei nesta situação, foi difícil de gerir, porque sempre confiei nas minhas equipas, nas equipas anteriores e em todas as pessoas com quem trabalho, porque senti que, confiando, tínhamos mais hipóteses de dar o nosso melhor. E sempre estive aberta a aprender. É por isso que contratamos pessoas, porque precisamos de informação, precisamos de ser melhores. Por isso, sempre confiei nisto e, neste momento, a minha confiança está um pouco quebrada. No futuro, não sei como vai ser, se vou poder confiar outra vez. E provavelmente tenho de aprender, porque este é o meu princípio na vida: se contratamos alguém e trabalhamos com essa pessoa, temos de confiar.

Tokunbo Salako, Euronews: Quando é que foi a última vez que falaram?

Simona Halep: Não foi há pouco tempo. Há uns meses.

Tokunbo Salako, Euronews: Se o Tribunal Arbitral do Desporto decidir contra si, será efetivamente o fim da sua carreira?

PUBLICIDADE

Simona Halep: Penso que sim, porque quatro anos vai ser muito, pelo menos para a minha idade. E para um atleta que fez isto todos os dias durante 25 anos e dedicou a sua vida ao ténis e ao desporto, não sei como vai ser, mas é catastrófico se forem quatro anos. Não sei como vou lidar com isso. Provavelmente, vai ser o fim da minha carreira, sim. E por algo que não fiz e que não é culpa minha, é ainda mais catastrófico. 

Tokunbo Salako, Euronews: Bem, continua a ser uma heroína nacional na sua Roménia natal e não só, com certeza. Muita gente vai estar a ver esta entrevista, jovens vão estar a ver esta entrevista. Que mensagem tem para eles?

Simona Halep: Bem, às crianças, a única coisa que posso dizer é que têm de sonhar em grande. Penso que isso é o mais importante, visualizarem-se com os grandes troféus. Claro que nunca se sabe o que vai acontecer na vida, mas se se dedicarem ao desporto, se forem  disciplinados, se trabalharem arduamente e se tiverem a paixão, a grande paixão por este desporto, penso que um dia serão capazes de levantar esses troféus. Eu fiz isso e posso partilhar isso com eles. Eles têm de ter a coragem de confiar em si próprios e seguir em frente. Sei que alguns dias são difíceis, porque não nos apetece ir lá. Sentimo-nos cansados, exaustos, por vezes deprimidos. Mas se nos esforçarmos e entrarmos em campo nesses dias, o passo é enorme. Desejo-lhes boa sorte e que confiem em si próprios, que tenham confiança dentro de si.

Tokunbo Salako, Euronews: Antes de a deixar ir embora, se olharmos para o futuro e a decisão do Tribunal Arbitral do Desporto for positiva a seu favor, estará de volta a Paris, talvez para os Jogos Olímpicos?

Simona Halep: Claro que sim. É o meu sonho! Sei que não há grandes hipóteses, mas estou a sonhar com isso porque Paris é a minha cidade de sonho. Ganhei [o torneio de] Roland Garros aqui quando era júnior, por isso tudo começou muito cedo, e será fantástico estar de volta ao campo, independentemente de tudo. Só quero estar no campo de ténis, porque é onde pertenço e sinto que quero voltar a fazê-lo.

PUBLICIDADE

Tokunbo Salako, Euronews: Simona Halep, obrigado por esta entrevista.

Simona Halep: Obrigada também por me ter ouvido e por ter falado comigo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Hans Zimmer: "Quando alguém me diz o que devo fazer, eu faço o contrário"

Ténis, um mercado de luxo a crescer a passos largos

João Sousa despede-se do ténis profissional no Estoril Open