Homem que afirma ser ex-oficial russo quer testemunhar sobre crimes de guerra na Ucrânia

Exterior do Tribunal Penal Internacional em Haia, Países Baixos
Exterior do Tribunal Penal Internacional em Haia, Países Baixos Direitos de autor Peter Dejong/AP
De  Christian Moore com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Um homem russo que afirma ser um antigo oficial do Grupo Wagner chegou aos Países Baixos e disse que quer testemunhar no Tribunal Penal Internacional (TPI), que está a investigar as atrocidades cometidas na guerra da Ucrânia.

PUBLICIDADE

O programa noticioso holandês EenVandaag noticiou na segunda-feira que Igor Salikov, de 60 anos, tinha voado para os Países Baixos.

Salikov afirma que esteve no leste da Ucrânia em 2014, quando o conflito eclodiu no país, e novamente em 2022, quando a Rússia lançou a sua atual invasão. 

"Sei de onde vieram as ordens", disse ao EenVandaag, através de uma ligação de vídeo, em declarações que não puderam ser verificadas de forma independente.

As informações sobre a cadeia de comando russa podem ser cruciais para a construção de mais processos contra russos de alta patente envolvidos na guerra.

Salikov afirma ter servido como oficial no Grupo Wagner, o grupo militar agora dissolvido que inicialmente desempenhou um papel proeminente na invasão da Rússia.

A chegada de Salikov a Haia, onde está sediado o Tribunal Penal Internacional, ocorre vários meses depois de o tribunal ter emitido um mandado de captura internacional contra o Presidente russo Vladimir Putin, alegando, em março, que ele era responsável pelo rapto de crianças da Ucrânia. Na altura, um porta-voz do Kremlin negou as alegações.

A Malaysian Airlines Boeing 777
A Malaysian Airlines Boeing 777JoePriesAviation.net/AP

Salikov também afirma ter informações sobre o abate do voo MH17 da Malaysia Airlines em 2014. Todos os 298 passageiros e tripulantes morreram quando o avião foi abatido sobre o leste da Ucrânia, a 17 de julho , por um sistema de mísseis russo. Em novembro de 2022, um tribunal holandês condenou dois russos e um rebelde ucraniano pró-Moscovo pelo seu papel no abate do voo que viajava de Amesterdão para Kuala Lumpur.

Em fevereiro, a equipa de investigação conjunta responsável pela investigação afirmou ter descoberto "fortes indícios" de que Putin aprovou o fornecimento de armas antiaéreas pesadas aos separatistas ucranianos que abateram o avião. No entanto, a equipa afirmou não ter provas suficientes para processar Putin ou qualquer outro suspeito e suspendeu o seu inquérito.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

O fim de Prigozhin mudou os planos russos em África?

África do Sul levanta ação por genocídio contra Israel. O que esperar do Tribunal de Haia?

Milhares exigem em Haia o fim dos milionários "subsídios poluentes"