Apagão na TV pública polaca: Incerteza nos corredores da TVP

Donald Tusk põe fim a oito anos de governo do partido nacionalista "Lei e Justiça"
Donald Tusk põe fim a oito anos de governo do partido nacionalista "Lei e Justiça" Direitos de autor Virginia Mayo/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
De  Magdalena Chodownik
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Uma das primeiras medidas do novo governo de Donald Tusk foi exonerar as direções dos canais da TV pública, acusados de serem porta-vozes do anterior executivo.

PUBLICIDADE

Esta quarta-feira, as estações da televisão pública polaca (TVP) deixaram de funcionar. Foi o caso do canal de informação TVP Info. Alguns canais recuperaram o poder de emissão, mas isso não impediu as mudanças que se iniciaram nos meios de comunicação públicos, com a nomeação de novos conselhos de administração. A medida foi tomada pelo novo governo, de Donald Tusk, em reação ao alegado controlo dos meios de comunicação social do anterior executivo, comandado pelo partido Lei e Justiça.

Muitos funcionários da TVP não sabem o que lhes vai acontecer. Isso mesmo foi expresso pelo lusodescendente Samuel Pereira, até hoje diretor da TVP Info: "Isto está a  causar muito stress às pessoas que simplesmente querem fazer o seu trabalho, e que também parecem não ver razão para sucumbir ao "Estado de Direito" [no sentido de poder físico], porque é a lei que deve ser o poder decisivo, e não a força [física] que pode contornar o Estado de Direito de alguma forma. O facto é que a situação é difícil. As pessoas tentam apoiar-se umas às outras. Algumas pessoas estão a sentir-se melhor e outras pior, mas também não temos razão para concordar com isto numa situação em que não há bases legais para assumir a transmissão do TVP Info e permitir que isso aconteça", disse Pereira à Euronews.

É a lei que deve ser o poder decisivo, e não a força [física] a contornar o Estado de Direito de alguma forma.
Samuel Pereira
Diretor do canal TVP Info

Entretanto, à porta da TVP, começaram as manifestações contra a decisão do novo governo: "Protejam a grande televisão polaca, a melhor que existe. Como atua este governo? Apodera-se dos meios de comunicação social como um verdadeiro hooligan. O que é que se passa exatamente? Está em causa a liberdade de expressão. É um golpe de Estado", diz Anna Machowska, manifestante. 

Apoiantes do governo acusam TVP de manipulação

Muitos não concordam com os manifestantes e sublinham que a TVP, sob o governo do Lei e da Justiça, não estava necessariamente a dizer a verdade. Diz Patryk Michalski, jornalista do site Wirtualna Polska: "Os telespetadores da TVP Info e da "News" foram manipulados durante muitos anos. Estas manipulações foram provadas e descritas por muitos investigadores dos meios de comunicação social e o que a TVP mostrou tornou-se o tema de muitas dissertações de mestrado ou mesmo de doutoramento na Polónia. O Provedor de Justiça também indicou exemplos específicos disso durante anos".

Os telespetadores da TVP Info e da "News" foram manipulados durante muitos anos.
Patryk Michalski
Jornalista do site Wirtualna Polska

Os políticos da coligação governamental sublinham que as mudanças que estão agora a decorrer na TVP são necessárias.

Diz Adrian Witczak, deputado da Plataforma Civil: "São notícias muito boas - a TVP deixou de emitir, deixou de praticar propaganda e ódio. Podemos dizer claramente que não estamos a assumir o controlo da TVP, estamos sim a restaurá-la e a devolvê-la aos polacos. Foi o que prometemos nas eleições de 15 de outubro".

 A mudança na gestão e no perfil dos meios de comunicação social públicos não foi uma surpresa e a coligação no poder já a anunciava há muito tempo, mas a disputa entre os dois lados não vai certamente terminar tão cedo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Oposição polaca acusa governo de Tusk de "golpe de Estado" na Procuradoria-Geral

Novo governo polaco garante apoio incondicional à Ucrânia

Votação do executivo de Tusk interrompida por ato antissemita