Novo governo polaco garante apoio incondicional à Ucrânia

Radoslaw Sikorski encontrou-se com Volodymyr Zelenskyy em Kiev
Radoslaw Sikorski encontrou-se com Volodymyr Zelenskyy em Kiev Direitos de autor Ukrainian Presidential Press Office via AP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

O chefe da diplomacia do novo executivo polaco esteve em Kiev e garantiu o apoio a 100% de Varsóvia à Ucrânia. Mas o bloqueio na fronteira continua a ser a "pedra no sapato".

PUBLICIDADE

A Polónia está ao lado da Ucrânia nesta 2luta titânica", assegurou o ministro dos Negócios Estrangeiros polaco, Radoslaw Sikorski, que visitou Kiev na sua primeira viagem ao estrangeiro depois de ter voltado ao governo de Varsóvia, no novo executivo chefiado por Donald Tusk. Sikorski tinha já chefiado a diplomacia polaca entre 2007 e 2014.  Apelou ao Ocidente para que mobilize a sua economia para combater a Rússia, uma vez que os países ocidentais juntos são "20 vezes mais poderosos" do que a Rússia em termos económicos, mas o Kremlin "mudou a sua economia para o modo de guerra".

Sikorski encontrou-se com o homólogo ucraniano Dmytro Kuleba, bem como com o Presidente Volodymyr Zelenskyy. Durante a conferência de imprensa conjunta com Kuleba, soou um alarme de ataque aéreo. Sikorski referiu que este alarme "é a razão pela qual estava ali".

"Não podemos permitir que a Rússia produza mais com base numa economia muito mais pequena. Porque as guerras não se ganham com batalhas táticas, as guerras ganham-se com a produção. Se o Ocidente se mobilizar, não tenho dúvidas de quem ganhará, mas temos de nos começar a mobilizar", disse Sikorski.

Se o Ocidente se mobilizar, não tenho dúvidas de quem ganhará.
Radoslaw Sikorski
Chefe da diplomacia da Polónia

Crise na fronteira continua

Mas algo continua a ensombrar as relações entre a Polónia e a Ucrânia: A crise na fronteira. Os condutores polacos continuam a bloquear a passagem dos seus colegas ucranianos. Kuleba referiu o facto a Sikorski, considerando a situação "inaceitável e prejudicial". No mesmo dia, o Ministério do Desenvolvimento Comunitário ucraniano anunciou um acordo com a parte polaca, que inclui um plano para desbloquear a fronteira. O novo governo de Varsóvia irá falar com os manifestantes para os tentar convencer a parar o bloqueio. Kiev sublinha que o cancelamento das operações "sem visto" dos condutores ucranianos - a razão das ações de protesto - está fora de questão.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Oposição polaca acusa governo de Tusk de "golpe de Estado" na Procuradoria-Geral

Apagão na TV pública polaca: Incerteza nos corredores da TVP

Agricultores juntam-se aos camionistas no bloqueio na fronteira Polónia-Ucrânia